Oportunidades

Estágios são uma oportunidade de unir teoria e prática profissional

5
Tamanho da fonte: A- A+ Por: Prisca Fontes 13/01/2013

Além de conhecer a realidade do dia a dia, o estágio pode ser uma boa oportunidade para o estudante se descobrir na profissão e até consolidar a carreira dentro de uma empresa

Primeiro passo no mercado de trabalho, o estágio pode ser uma boa oportunidade para o estudante se descobrir na profissão e até consolidar a carreira dentro de uma empresa. É uma oportunidade de unir a teoria e a prática, conhecer a realidade do dia a dia e experimentar as diversas áreas de atuação possíveis na carreira.

Instituições como a Fundação Movimento Universitário de Desenvolvimento Econômico e Social (Mudes), o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) e o Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) têm mais de 3,5 mil vagas de estágios para estudantes do ensino médio, técnico ou superior em todo o País.

O recrutador da Mudes Joene Gonçalves Galdeano afirma que o estágio é uma etapa do desenvolvimento indispensável para a formação, tanto que ele é obrigatório em muitos cursos. Mesmo quando não é obrigatório, ele recomenda que o aluno procure essa experiência.

“Alguns estudantes pensam que só vão fazer café ou coisas operacionais, mas nós procuramos colocar o aluno em locais que vão ajudar na sua qualificação. O estagiário também pode descobrir se aquele curso ou área de atuação é adequada para ele”, explica, acrescentando que a Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, define o estágio como o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo do estudante.

Se por um lado, as empresas têm benefícios por promover um programa de estágio, entre eles a renovação permanente do seu quadro de funcionários, que vai contar com profissionais capacitados, integrados na cultura organizacional e que podem ser absorvidos pela empresa quando se graduarem; por outro, a experiência também é importante para o estudante, que é colocado em contato com sua área antes mesmo do término do curso, o que valoriza o currículo com experiência e contatos profissionais.

“No estágio ele vai aprender a fazer, como fazer, e o que deve ser feito. A experiência prática pode ter mais peso do que o conhecimento teórico, pois ele vai aprender a agir em determinadas situações. Também é de vital importância para a estrutura psicológica do estudante”, destaca.

O estagiário deve sempre ser supervisionado por um profissional da aérea, que além de ensinar o trabalho, deve orientar o aluno e indicar os pontos onde ele pode melhorar.

“Apesar de não ser garantia de emprego, acredito que o estudante deva ficar pelo menos seis meses na empresa, para conhecer todas as possibilidades daquela experiência. Não se deve pular de um estágio para o outro, pois o estudante vai apenas conhecer, e não aprender. A ideia é que ele aproveite essa oportunidade e absorva tudo o que for importante para a área de atuação dele”, recomenda.
 
Todo estágio deve ser regulamentado por um contrato, que deve passar por agentes de integração, como a Mudes e o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), que selecionam as vagas, fazem o contrato e a intermediação entre o aluno, a empresa e instituição de ensino.

Seleção – O consultor de recursos humanos Ubiratan Bonino aconselha que, antes da entrevista de estágio, o estudante procure conhecer o ambiente e a dinâmica da empresa, lendo sobre os valores, missão, visão da organização. Essas informações geralmente são encontradas no site da empresa.

“Muitas vezes o estágio é a primeira experiência da pessoa no mercado de trabalho. Para a entrevista, é importante se vestir adequadamente de acordo com a empresa, sem fingir que é outra pessoa, e as mulheres não devem usar maquiagem carregada”, recomenda.

Ele explica que o estagiário deve se colocar à disposição da empresa, estar aberto para receber trabalho e mostrar interesse. Responsabilidade, comprometimento e assiduidade também são palavras chaves para o sucesso. Ele também aponta a importância de fazer uma boa rede de contatos durante o período de estágio, o famoso networking.
 
“Se o estagiário desempenhou bem suas funções e se integrou à dinâmica da empresa, provavelmente será aproveitado ao fim da faculdade. Mas, se não houver a vaga e o estudante for bem relacionado, as pessoas lá dentro podem ajudar na realocação no mercado. Nunca se deve subestimar a importância de ter um bom relacionamento no trabalho, sair para almoçar com os colegas”, completa.

Direitos do estagiário

1. O que é estágio?

Estágio é um ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido em ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho. Seu objetivo é complementar a formação do estudante, com a oportunidade de aplicação prática de conhecimentos adquiridos em sala de aula.

2. Quem pode estagiar?

Podem estagiar estudantes a partir dos 16 anos, que possuam CPF e RG, estejam matriculados e frequentando regularmente cursos de Ensino Médio, Educação Profissional, Educação Superior ou Educação Especial e nos anos finais do Ensino Fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos, todos devidamente atestados pela Instituição de Ensino.

3. Qual a carga horária permitida de estágio?

De acordo com a Lei do Estágio (nº 11.788/2008), a jornada de estágio não pode ultrapassar 4 horas diárias e 20 horas semanais, no caso de estudantes de educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional de educação de jovens e adultos; ou 6 horas diárias e 30 horas semanais, no caso de estudantes do ensino superior, da educação profissional de nível médio e do ensino médio regular.

4. Qual a duração máxima do estágio?

A duração do estágio não poder ultrapassar 2 anos, exceto quando se tratar de estagiário com deficiência.

5. O que é bolsa-auxílio?

É a remuneração que o estagiário recebe da empresa, sendo obrigatória, assim como o auxílio transporte, na hipótese de estágio não obrigatório.

Essencial na formação dos estudantes

A Associação Fluminense de Reabilitação (AFR), centro de referência no tratamento de alta complexidade em medicina física e reabilitação, oferece em média 250 vagas de estágio por semestre, nas áreas de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia, pedagogia e serviço social.

“A AFR tem, entre suas missões, a colaboração com a formação do aluno na área de reabilitação. O estagiário tem uma experiência prática, atende a uma grande diversidade de casos e cerca de 1,8 mil pacientes. O estudante está sempre sob acompanhamento de supervisores, que vão ajudar que ele adquira experiência prática para sua formação”, explica o professor Marcos Soares, coordenador do núcleo de estudos e pesquisa da instituição.

O estágio tem a duração mínima de um semestre e pode se estender até dois anos, de acordo com o interesse do estudante e da entidade. Além disso, os estagiários têm preferência no recrutamento e seleção dos novos funcionários e descontos nos cursos de extensão da entidade.

“A AFR acredita na importância de colaborar na formação desses estudantes. A formação do bom profissional começa no período de estágio. Quanto mais e melhores profissionais no mercado, melhor a condição de saúde dos pacientes que precisam desse tipo de tratamento. É uma forma de investir nos futuros atendimentos, já que a população está envelhecendo”, destaca.

A bolsa auxílio é de R$ 13,20 por dia de estágio, e os estudantes trabalham, em média, 20 horas mensais. Para Soares, a experiência não tem preço e ele garante que é um estágio reconhecido em qualquer lugar do Brasil, pois a AFR é uma instituição com 55 anos, e uma das pioneiras na área.

“O estagiário vai ter contato com a realidade do mundo do trabalho, interagir com a angústia dos pacientes, viver situações reais, lidar com o imponderável que é a emoção. Só assim ele pode ter uma confirmação efetiva de sua escolha profissional”, diz.
 
A associação está recrutando alunos de fisioterapia, entre o 6º e o 8º período para estágio em eletrotermofototerapia (8 vagas), onde o estagiário vai cuidar de pacientes com lesões neurológicas, traumato-ortopédicas, reumatológicas e ortopédicas em geral; e para fisioterapia geral (30 vagas), onde a atuação é nas áreas de reumatologia (artrite reumatoide, espondilite anquilosante, artrose, entre outras), traumato-ortopedia (fraturas diversas), neurologia (grande lesado, doenças dos nervos periféricos).

“Os interessados vão passar por uma entrevista inicial, onde receberão orientação e vão conhecer mais sobre as áreas. Depois passam por uma entrevista com o supervisor do setor e dinâmicas do grupo. Procuramos pessoas abertas a aprender, que tenham responsabilidade, ética, e respeito com o próximo”, indica o professor Marcos Soares.
 
O cadastro para o programa de estágio pode ser feito pelo site www.afr.org.br, pelo telefone 2109-2626, ramais 239 e 245, ou na sede da instituição, localizada na Rua Lopes Trovão, 301, em Icaraí.

Vagas abertas

Uma das principais instituições do setor, o Nube está com 3.104 oportunidades de estágios para estudantes em todo o País. As bolsas variam de R$ 450 a R$ 1,3 mil. Os interessados em concorrer às vagas devem cadastrar-se gratuitamente no site www.nube.com.br.

Entre os cursos com vagas estão administração, análise de sistemas, biblioteconomia, ciência da computação, ciências contábeis, comércio exterior, comunicação social, design gráfico, direito, economia, educação física, enfermagem, engenharia civil, engenharia de mecatrônica, ensino médio, física, marketing, matemática, medicina veterinária, nutrição, publicidade, relações públicas, secretariado executivo, tecnologia em marketing, técnico em administração, técnico em gestão e turismo.


O FLUMINENSE


AVALIE:

 

Enviar para amigo Imprimir

Comente a Notícia

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Grupo O Fluminense. Mensagens que contenham ofensas, acusações e palavrões ou xingamentos não serão publicadas.

Comentários

Esta matéria possui 0 comentário(s)

Nenhum comentário.

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.


Publicidade: