Assine o fluminense

Fugindo de alguns ‘clichês’

O diretor Carlos Augusto traz o infantil ‘O menino detrás das nuvens’ para o palco do Teatro da UFF

Peça não faz uso de cenário colorido nem de músicas compassadas

Fotos: Divulgação / Mariana Salles

O espetáculo infantil “O menino detrás das nuvens” neste sábado (11) e fica até o dia 26 de maio no Teatro da UFF, aos sábados e domingos. O público vai assistir à história de Zezinho e sua mãe, Sinhana, que vivem numa cidadezinha cercada de morros por todos os lados, limitando onde era possível de ver e de se chegar. 

A mãe do menino, conformada com a situação em que viviam, tratava a cidade como seu universo, mas seu filho nunca aceitou essa limitação, e, por conta disso, fica à procura de um jeito de ver do outro lado dos morros. A esperança do menino é seu padrinho Malaquias, que é quem traz toda a magia presente do outro lado e quem levaria Zezinho para conhecer o mundo, mas Malaquias acaba morrendo num acidente. 
O desejo do menino de sair daquilo que o aprisionava era tão grande que o faz “voar” por cima dos morros e descobrir a magia, a fantasia e o encantamento do que há por detrás dos montes que o cercavam. 

Escrito e dirigido por Carlos Augusto Nazareth há mais de 20 anos, a peça reestreia como a volta do diretor aos palcos. 

“Eu estava há oito anos afastado dos palcos porque estava só cuidando do Centro de Pesquisa e Estudo do Teatro Infantil, que eu criei. Mas, como todo bicho de teatro, me deu vontade de voltar à ativa e dirigir uma peça. Daí pensei ‘Bom, tenho que voltar com a peça, que é um espetáculo ícone’. Ali eu digo o que acho do teatro infantil, o espetáculo, de forma lúdica e agradável, na verdade é o meu depoimento de fé de artista”, admite o diretor Carlos Augusto.

O espetáculo tem uma pegada diferente do que se espera de um teatro infantil e leva as crianças a refletirem sobre as cenas apresentadas. O diretor resolveu ousar, acreditando que as crianças iriam captar a mensagem transmitida pela peça sem o auxílio de muitos instrumentos para prender a tensão, como a maioria dos teatros infantis.

“O espetáculo não tem os ícones comumente encontrados no teatro infantil. As pessoas acham que peça pra criança tem que ser colorida, e a minha não é colorida, acham que tem que ter uma música compassada para a criança cantar junto e a peça não tem, é uma trilha sonora instrumental feita de base medieval”, explica Carlos Augusto.

O Teatro da UFF fica na Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí. Até 26 de maio, aos sáb e dom, às 16h. Preço: R$ 40 (inteira). Classificação: livre. Telefone: 3674-7512. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comments

Veja também

Scroll To Top