Assine o fluminense

Niterói, cidade luz por uma noite

Aliança Francesa promove hoje comemoração inédita para celebrar 50 anos

MAC azul com espelho-d’água dourado na ilustração de Erwan le Bourdonnec

Ilustração de Erwan Le Bourdonnec

Marcelo Brantes, o Homem-Chama, que promete pegar fogo

Foto: Regina Lobianco/ Divulgação

Em um encontro dedicado à arte, Niterói vai virar a cidade luz por uma noite. Através de uma caminhada cultural, a cidade recebe hoje, das 18h às 22h, a edição no Brasil do​ já​ ​tradicional ​evento francês “Nuit Blanche – Noite em Claro”, celebrando o cinquentenário da Aliança Francesa de Niterói. A temática do evento é destacar o intercâmbio que Niterói e França vêm desenvolvendo ao longo desses 50 anos. Para isso, haverá exposições, performances​ luminosas​ e intervenções urbanas, voltadas para o tema luz, explorado por 52 artistas, entre franceses e brasileiros. O público vai poder participar do trajeto entre dois importantes espaços culturais da cidade: o Museu do Ingá e o Museu de Arte Contemporânea (MAC).

“Acredito que a proposta do evento seja dar ênfase à arte efêmera e participativa. Nosso movimento como organizadores é o de lançar uma pergunta e as respostas a partir das ideias e conteúdos propostos pelos participantes. Com isso, passamos a trabalhar numa articulação conjunta produção-artistas-instituição. Vamos apresentar uma caminhada noturna com coletivos de artistas brasileiros e franceses, que vão realizar ações em movimento e em alguns espaços fixos”, diz Julio Castro, curador do evento. 

O ponto de encontro será no Museu do Ingá, às 18h30, com o início da caminhada em direção ao MAC às 19h. Logo após haverá uma parada na Praça César Tinoco, que fica entre a Praia das Flechas e a Rua Presidente Pedreira, para apresentação de performances de artistas.

O artista performático​ Victor Iervolino é um dos convidados do evento, e​ vai caminhar à noite,​ do Museu do Ingá ao MAC, carregando na mão uma vela acesa. 

Victor Iervolino, com a vela que levará nas mãos

Foto: Divulgação

“O que vou apresentar é uma apropriação de uma cena do filme ‘Nostalgia’ de Andrei Tarkovski, cineasta russo, onde caminharei todo o trajeto com uma vela acesa para simbolizar a sensibilidade física, espiritual e íntima que interfere em todos os nossos estados de consciência, inconsciência passíveis de sofrerem interferências de agentes externos. Caso a vela se apague, reiniciarei o trajeto, fazendo isso quantas vezes for necessário”, diz Iervolino.

Outra artista que vai participar da celebração é Christina Bocayuva que vai fazer a captura de imagens através de alguns pequenos espelhos durante a caminhada.

“Eu me propus a fazer um ensaio fotográfico da marcha a partir do uso de pequenos pedaços de espelho. Serão imagens fragmentadas como pedaços de um mosaico. Vou chegar da marcha com elas, fazer a edição e projetar numa pilastra do MAC. Vai ser tudo feito na hora por mim e com o auxílio das pessoas que aceitarem segurar os espelhos”, conta Christina.

O evento conta também com a artista franco-japonesa Lika Kato. Durante a caminhada ela usará um vestido iluminado e, na galeria da varanda do MAC, terá uma escultura em papel e luz feita por ela. 

Marcelo Brantes, o Homem-Chama, se vestirá com um macacão de tecido coberto com lixas de fósforo. Ao público, serão oferecidos os palitos para que risquem e acendam. O corpo do artista irá, assim, produzir luz e iluminar coletivamente o percurso. Para Marcelo, a Nuit Blanche é uma manifestação de arte fundamental para a disseminação da cultura.

Alguns dos 52 artistas que participarão do evento e Marcelo Brantes, o Homem-Chama, que promete pegar fogo

Foto: Divulgação

“O projeto Nuit Blanche busca o trabalho coletivo entre artistas e através do elemento luz traz à tona o que o mundo precisa agora: de luz. Estamos vivendo um momento de trevas no mundo. O mundo está desabando, e mais do que nunca precisamos de arte, no exato sentido da palavra”, diz Marcelo.  

O artista Gunga Guerra vai apresentar o projeto “Acendendo a Paz”, com o propósito de fazer com que pessoas que estiverem na área de exposição participem da construção da obra. 

“A minha obra é uma instalação interativa. Preparei mais de 100 lanternas, que eu mesmo fiz com LED, e no chão do pátio do museu será formada a palavra paz. E convidarei o público para fazer essa montagem, pois o conceito da obra é fazer com que as pessoas ajudem a montar e construir a paz, mostrar que estão dispostas a trabalhar para a sua construção”, explica Gunga.

O ato final do evento será realizado no MAC,​ que ficará com contornos iluminados em azul, enquanto seu espelho-d’água vai manter-se imerso na cor de ouro. A ação será realizada por dois artistas franceses, Erwan le Bourdonnec e Thomas Klug. 

“Nós preparamos um trabalho como experiência para viver, para substituir o espelho da água por um espelho dourado e também homenagear Oscar Niemeyer e seu amor pela natureza”, declara Erwan.
A dupla também ​vai exibir um vídeo que poderá ser visto no celular durante o evento, e​ que mostrará uma instalação no pátio do MAC, onde um refletor circular acompanhará o amanhecer e o crepúsculo.

O Museu do Ingá fica na Rua Presidente Pedreira, 78, Ingá, em Niterói. O MAC fica no Mirante da Boa Viagem, s/nº, Boa Viagem, em Niterói. Hoje, das 18h às 22h. Entrada franca. Censura: livre.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comments

Scroll To Top