Assine o fluminense

Ato na Candelária relembra tragédias



Vítimas de Brumadinho, Ninho do Urubu, enchentes, além de Boechat e piloto, foram homenageados ontem pela Arquidiocese

Vítimas de Brumadinho, Ninho do Urubu, enchentes, além de Boechat e piloto, foram homenageados ontem pela Arquidiocese

Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Arquidiocese do Rio de Janeiro promoveu na manhã desta sexta-fira (15) um culto, na Igreja da Candelária, em lembrança das vítimas das tragédias de Brumadinho (MG), do incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo, Ninho do Urubu, das enchentes no estado e do acidente de helicóptero que resultou na morte do jornalista Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quattrucci.

Segundo o arcebispo do Rio de Janeiro, cardeal Dom Orani João Tempesta, é preciso levar paz e esperança para a população brasileira, que está tão abalada com os últimos acidentes. “De certa forma, todos somos machucados com os acontecimentos. Então quisemos fazer um gesto que diz tenham esperança, mesmo com todo sofrimento e dificuldade. Estamos juntos com nosso povo, reunidos, cheios de esperança”, disse o cardeal.

Integrantes do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, que auxiliaram nas buscas de vítimas em Brumadinho, foram homenageados. O capitão bombeiro Rodrigo Barbosa disse que a corporação foi multiplicada durante a missão, graças ao trabalho voluntário.

Foi uma mensagem de esperança para a gente. Todos se uniram e quem podia lavar uma farda, nos ajudava lavando, outros nos ajudavam servindo alimentação. O amor ao próximo foi latente naquele local. Nossos sentimentos a todas as vidas perdidas e nossa saudação aos bombeiros que continuam nas buscas”, disse Barbosa.

Embora organizado pela comunidade católica, a cerimônia recebeu representantes de diversas religiões, como as de matriz africana, muçulmana e judaica. Os líderes disseram palavras de apoio e de motivação para as cerca de 300 pessoas que acompanhavam a celebração.

Maré do Amanhã – Os músicos da Orquestra Maré da Manhã também participaram do ato. Segundo o maestro Felipe Kochem, as apresentações são uma forma de retribuir para a sociedade toda a ajuda que o projeto recebe.

“Cada um pode retribuir com aquilo que faz, eu sei que é pouco, mas a música pode trazer um pouco de tranquilidade, quem sabe até esperança. Que a gente possa ter força nesse momento de dificuldade e seguir bem no ano de 2019”, disse.

Ele lembrou que a música tem ação transformadora, principalmente na comunidade da Maré, onde o projeto atende 4 mil pessoas.

Missa Uma missa de sétimo dia também foi celebrada na manhã desta sexta-feira (15) para os atletas do Flamengo mortos no incêndio no Centro de Treinamento George Helal, o Ninho do Urubu. A celebração aconteceu na Igreja de São Judas Tadeu, no Cosme Velho. São Judas Tadeu é o santo padroeiro do clube carioca.

A missa foi acompanhada por familiares e amigos das vítimas. O presidente do clube, Rodolfo Landim, e o vice-governador do Rio, Claudio Castro, também participaram da missa.
 

Ninho: Francisco tem alta e Jhonata tem piora

Após ser retirado da ventilação mecânica, o paciente Jhonata Cruz Ventura, de 15 anos, voltou a precisar do auxílio de máscara de oxigênio. Segundo boletim médico do Hospital Municipal Pedro II, onde ele permanece internado no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), o adolescente está acordado, atende a comandos simples ao exame clínico e está hemodinamicamente estável. 

A ventilação mecânica do atleta foi retirada ontem. Jhonata ficou gravemente ferido no incêndio no Centro de Treinamento George Helal, do Flamengo, o Ninho do Urubu, na zona oeste do Rio, há uma semana. Ele é um dos três sobreviventes.

Na tragédia, dez atletas da categoria de base do clube, entre 14 e 16 anos, que dormiam no alojamento, morreram. Os sobreviventes tiveram queimaduras graves e problemas respiratórios. 

Segundo o boletim médico, as queimaduras de Jhonata estão “respondendo bem aos curativos”, mas ele apresentou “sinais de possível infecção local” no dorso e no ombro direito, além de piora dos exames laboratoriais. Com isso, Jhonata começou a receber tratamento com antibiótico. 

Já Francisco Dyogo, um dos três feridos no incêndio que atingiu o Centro de Treinamento (CT) do Flamengo, no último dia 8, teve alta médica e deixou ontem o Hospital Vitória, no Rio de Janeiro.

Ele é o segundo atleta a ter alta depois da tragédia, já que Cauan Emanuel havia deixado o hospital no último dia 11.

O terceiro ferido, Jhonata Ventura, continua internado no Hospital Municipal Pedro II, com queimaduras em 30% de seu corpo.

Segundo boletim médico divulgado ontem pela Secretaria Municipal de Saúde, o jovem continuava em um leito de terapia intensiva do Centro de Tratamento de Queimados do hospital, com boa evolução.
 
Depoimento – O diretor financeiro do Clube do Flamengo, Márcio Garotti, prestou depoimento durante mais de três horas ontem na 42ª Delegacia de Polícia (Recreio), na zona oeste do Rio de Janeiro, sobre o incêndio que deixou dez atletas mortos e três feridos no alojamento do Centro de Treinamento do clube, o Ninho do Urubu, na sexta-feira da semana passada (8). A delegacia é a responsável pelas investigações, que estão sob sigilo.

Ao deixar o local, o diretor financeiro foi indagado por jornalistas se havia informações sobre qualquer “gambiarra” na instalação do ar-condicionado do alojamento. “Não que tenha o nosso conhecimento”, disse Garotti.
 

 

 
Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top