Assine o fluminense
Coaching & Gestão

Palestrante, coach, mentor e escritor, José Haddad tem mais de 30 anos de experiência profissional, já tendo ocupado cargos executivos em grandes empresas, treinando e motivando profissionais

Será que você autoriza?



Esta semana, resolvi falar sobre as autorizações em nossas vidas e como nos relacionamos com elas. Isso se deu após um questionamento que tive de um conhecido. O mesmo estava chateado com um acontecimento em sua vida, ante um insulto sofrido por uma outra pessoa. Me relatava que  se sentia constrangido em responder a agressão mas aquilo estava fazendo mal a sua saúde.

Sabedor que ele possuía o livro Os 5S do Coração, de minha autoria, lhe  recomendei ler novamente o capítulo referente a “Autorização Intransferível”. Compartilho, pois, o aludido capítulo, abaixo:

Competentes ou não, precisamos assumir que somos o comandante de nosso barco.

Competência é habilidade conquistada. Por isso mesmo, competência é algo que se adquire a qualquer momento embora requeira algum tempo de maturação ou consolidação da competência.

Todos nós, por não sermos completos, temos competências a adquirir.

Por vezes e em especial, quando nos encontramos envoltos em uma  situação de vida ou companhia que só nos gera estresse e que temos certo embarasso para harmonizar nosso ambiente interno e até mesmo o externo, admitir que somos nós que autorizamos pessoas e situações entrarem, permanecerem ou saírem de nossas vidas, não é tarefa fácil. Mas essa é mais uma realidade que temos que assumir.

Precisamos admitir que de alguma forma ou em algum nível fomos nós que autorizamos a instalação desse tipo de cenário.

Isso costuma comprometer nosso emocional, gerando muita raiva em nós.  Aliás, essa raiva é totalmente nossa e em relação as nossas autorizações ou consentimentos, muito embora, tenhamos  tendência a endereçar a raiva para alguém ou alguma situação que supomos sejam os causadores do nosso desconforto.

De certo que vivemos no mundo e ele tem algumas regras próprias. Não podemos impedir tudo.

Nem sempre poderemos desautorizar pessoas iniciarem um relacionamento ou qualquer tipo de troca conosco como quiserem, de forma educada ou não. Isso é responsabilidade 100%  delas. Agora, autorizar a continuidade desse relacionamento ou troca está em nossas mãos. O que vale é o que fazemos do que as pessoas fazem conosco e não, necessariamente, o que elas fazem conosco.

O fato é que não podemos impedir que um pássaro pode passar sobre nossa cabeça, nem mesmo que ele possa tentar pousar nela, contudo, ele jamais conseguirá construir um ninho ali, sem nossa autorização.

Somos nós que autorizamos um estado de situações permanecerem ou não em nossas vidas. E essa autorização é intransferível.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top