NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Degase: TJ vai pedir liberação de jovens

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) ficou de enviar ao Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), a lista de adolescentes internados para medidas socioeducativas, que deverão ser liberados por causa da superlotação nas unidades. A assessoria de imprensa do tribunal ainda não divulgou o número de menores na lista, que tem jovens de diferentes áreas do estado, como Região dos Lagos, Região Serrana, Angra dos Reis e São Gonçalo.

A medida cumpre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que limitou a taxa de ocupação das unidades socioeducativas em 119% da capacidade, o que significa que, se houver 100 vagas, o limite de adolescentes internados é 119.

A partir do momento em que os nomes dos adolescentes chegarem nas unidades, o Degase deverá convocar os responsáveis para buscá-los, e os internados só serão liberados quando os responsáveis comparecerem.

O cumprimento da decisão do STF foi discutido em reunião no TJ na última  sexta-feira (7), e ficou decidido que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro apresentará semanalmente à Justiça um número de processos para que a liberdade dos adolescentes seja avaliada.

A liberação vai priorizar casos considerados de menor gravidade, como furto, receptação e tráfico sem armas. Posteriormente, serão analisados casos de maior gravidade, em que também serão levadas em conta questões como o tipo de ato praticado, a reincidência e internações anteriores, o tempo de internação já cumprido e se há amparo familiar para esse adolescente. O MP também vai estabelecer requisitos que o adolescente deve cumprir, como frequência escolar e comparecimentos à Justiça.

O TJ decidiu ainda que o Governo do Estado deve construir uma nova unidade de internação com 90 vagas até 29 de fevereiro de 2020. Em caso de descumprimento, o governo deverá pagar R$ 100 mil por dia ao Fundo do Conselho Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro.

A juíza responsável pelo caso determinou que o estado terá seis meses após a construção para garantir que a unidade conte com toda a estrutura física e de pessoal para funcionar.

Scroll To Top