NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Agricultura familiar

Em 2015 participei de pesquisa sobre a viabilidade econômica da agricultura familiar no Estado do Rio. Na Região Serrana, uma unidade de agricultura familiar gera, em média, uma receita bruta de R$ 97 mil/ano; na região Noroeste do RJ, gera R$ 46 mil/ano e na região Norte, R$ 26 mil/ano. Além de obterem receita bruta maior, as lavouras da região Serrana são mais eficientes, alcançando uma margem de lucro de 50%, o que significa uma renda líquida para o agricultor de R$ 50 mil/ano. Já na região Noroeste a margem é de 46% (renda líquida de R$ 21 mil/ano) e na Região Norte a margem é de apenas 35%, proporcionando uma renda líquida de R$ 9 mil/ano para a unidade familiar.

Uma receita líquida de R$ 50 mil/ano (equivalentes a R$ 4.166/mês) é compatível com os rendimentos de uma família de classe média urbana. De fato, na Região Serrana nota-se agricultores habitando boas casas, em alguns casos com carros e motocicletas nas garagens, máquinas e caminhões na lavoura. Isso demonstra que a atividade agrícola, empreendida com tecnologia de produção e gestão adequadas, apresenta bom retorno financeiro. 

Já na região Norte, a renda mensal é de apenas R$ 750 (R$ 9 mil/12 meses), o que gera pouco incentivo para a atividade agrícola na região. 

Fica evidente, portanto, a necessidade de serem fortalecidos os incentivos à agricultura familiar no RJ, para que os resultados da Região Serrana sejam estendidos às demais regiões.

Por: Carlos Guanziroli
Professor de Economia da UFF

Scroll To Top