Assine o fluminense

Posto de combustíveis é interditado na Zona Sul

Segundo investigação de oito meses, Fagundão comercializava combustível sem comprovação fiscal

Força-tarefa mobilizou agentes, policiais e fiscais em vistoria a postos de combustíveis para checar possível adulteração de combustíveis e fraudes na documentação e outras irregularidades

Foto: Evelen Gouvêa

Um posto de combustíveis na Rua Fagundes Varela, em Icaraí, Zona Sul de Niterói, teve suas bombas lacradas e interditadas na manhã desta terça-feira (14), por suspeita de comercializar combustível sem comprovação fiscal, gerando uma diferença contábil de mais de 1 milhão de litros de combustível. Além desse, um outro posto em Itaboraí também precisou ser fechado pela mesma suspeita. A força-tarefa envolveu a Agência Nacional do Petróleo (ANP), Procon, Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Rio de Janeiro (Ipem), Operação Barreira Fiscal e Polícia Civil. Os postos permanecerão interditados até comprovarem a origem do produto ou regularizar os tributos junto aos órgãos competentes. 

Em Niterói, o posto Fagundão (Shell), como é conhecido, era investigado desde o mês de fevereiro, e, após oito meses, os agentes interditaram o local. De acordo com o coordenador de fiscalização da ANP, Ary Bello, o trabalho de investigação foi longo, detectando mais de um milhão de litros de combustíveis comercializado sem comprovação fiscal. 

“A gente vem acompanhando Niterói faz algum tempo, as recentes reclamações contribuíram para tal. Uma investigação de oito meses, que comprovou que esse posto aqui está comercializando combustível sem origem (sem origem comprovada). Eles não têm comprado a quantidade que ele vende na distribuidora que ele representa. Isso impacta no recolhimento de impostos e também não garante a qualidade, que se sabe de onde veio”, explicou, acrescentando que para voltar a funcionar o posto precisará cumprir algumas exigências.  

“A primeira é informar a origem do produto que ele comercializou ou justificar a diferença nos litros que compra e vende, além disso tem de recolher os tributos de tudo que foi vendido de forma irregular. Caso não cumpra essas exigências o posto não volta a funcionar”, disse. 

Outras irregularidades também foram identificadas no posto, mas dessa vez por parte do Procon-RJ. Na loja de conveniência, cervejas com data de validade vencida, ralos irregulares e sem licença ambiental do estabelecimento  - esta vencida. Um estacionamento sem alvará para funcionamento também operava no posto. O local foi autuado e pagará uma multa de acordo com o faturamento mensal.  

Segundo Marco Antônio da Silva, diretor de fiscalização do órgão, a multa é aplicada mesmo com o prazo de 15 dias para regularizar a situação. “Como se trata apenas de irregularidades administrativas, nós apenas multamos - independente do prazo de regularização. Os 15 dias são para que entrem nas normas. Caso não o façam, eu volto aqui e interdito o local (a loja de conveniência do posto)”, explicou. 

Quanto a quantidade do combustível, avaliada pelo Ipem, e a qualidade, analisada pela ANP, inicialmente não foram encontradas irregularidades nos testes feitos nos estabelecimentos, tanto em Niterói quanto Itaboraí. Porém, segundo Reginaldo Valadão, coordenador da Barreira Fiscal e Operação Bomba Limpa, “a Delegacia de Defesa de Serviços Delgados (DDSD) da Polícia Civil assumiu a investigação mais detalhada sobre as placas eletrônicas das bombas”. 

Já a ANP coletou amostras de combustíveis para serem analisadas em laboratório credenciado – o resultado detalhado deve sair em pouco mais de uma semana.  

Os donos do posto foram procurados, mas, não se pronunciaram até o momento.  

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Pacato Cidadão
Coloquei gasolina no meu carro semana passada nesse posto Fagundão. E o que. aconteceu? Entupimento no bico da injeção eletrônica.
Vote up!
Vote down!

: 0

You voted ‘up’

Scroll To Top