Assine o fluminense

Casos suspeitos de chikungunya sobem 361% em São Gonçalo

De janeiro a abril de 2018, foram 1.223 notificações contra 265 no mesmo período do ano passado

A chikungunya continua preocupando moradores de Niterói e São Gonçalo, mesmo com o fim do verão. Números de casos suspeitos em SG chegou a 1.223 até o momento de abril. O número é 361% maior do que o mesmo período do último ano, quando foram 265 notificações. Já em Niterói, de janeiro a abril de 2017, foram notificados 304 casos suspeitos da doença, contra 774 do mesmo período deste ano, um aumento de 154%. As informações foram divulgadas no boletim epidemiológico da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

Em São Gonçalo, os números são atualizados aos poucos, de acordo com a Prefeitura do município, e por isso há alterações nos dados divulgados ao longo dos meses. Na divulgação da última semana, foram notificados 1.223 casos suspeitos, sendo 199 em janeiro, 322 em fevereiro, 565 em março, 121 em abril e 16 em dezembro (esses são referentes à primeira semana epidemiológica do ano de 2018 - de 31/12/17 a 06/01/18). Uma próxima atualização sairá nesta quinta-feira (3).

Desde o início do ano, a quantidade de casos tem lotado os postos de saúde. Por conta disso, ações de fiscalização estão sendo intensificadas para tentar diminuir a quantidade de infectados, principalmente nos bairros mais afetados, Tenente Jardim, Engenho Pequeno, Zé Garoto e Venda da Cruz.

A Vigilância Ambiental do município afirma que 25% dos focos do mosquito são encontrados nas residências e que agentes realizam o trabalho de visitas domiciliares com o intuito de procurar focos do mosquito. A Vigilância tem em atuação cinco carros UBV que circulam por bairros com alto número de notificações, com o intuito de combater o vetor. A população pode denunciar casos através da Ouvidoria da Saúde, no número 0800 022 6806. 

Segundo a Prefeitura de São Gonçalo, há 1.408 casos suspeitos notificados de dengue, sendo 294 de janeiro, 450 de fevereiro, 597 em março, 33 em abril e 34 de dezembro (referentes à primeira semana epidemiológica do ano de 2018 -  31/12/17 a 06/01/18). No mesmo período do ano passado, foram 1.403 casos (301 em janeiro, 268 em fevereiro, 384 em março e 450 em abril). Já de zika, são 170 casos notificados (31 em janeiro, 59 em fevereiro, 60 em março, 0 em abril e 20 em dezembro, referentes à primeira semana epidemiológica do ano de 2018 - 31/12/17 a 06/01/18) até o momento, contra 833 do mesmo período do último ano (156 em janeiro, 161 em fevereiro, 307 em março e 209 em abril). 

Em Niterói, de janeiro a abril de 2017, em relação ao mesmo período de 2018, as notificações de casos suspeitos de dengue tiveram um aumento de 98%. No ano passado foram 421 casos, contra 835 neste ano. 

As ações de combate ao Aedes aegypti em Niterói foram intensificadas desde o mês de março. Agentes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realizam vistoria em casas e comércios com objetivo de eliminar possíveis focos do inseto, fazem mutirões de combate à dengue também aos finais de semana, aplicam inseticida quando necessário, orientam os moradores e realizam distribuição de material informativo sobre medidas de prevenção. Além disso, o CCZ está utilizando o carro fumacê nos locais com maior incidência. Outra medida de combate e prevenção é realização de palestras educativas sobre as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti para pais, professores e alunos nas escolas municipais. Profissionais do Programa Médico de Família também atuam em parceria, com prevenção e combate nas suas áreas de cobertura. Niterói também possui Comitês Regionais de Combate à Dengue, organizados pelas Policlínicas Regionais, com ações de combate ao mosquito Aedes aegypti elaboradas de acordo com as características de cada comunidade.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top