Assine o fluminense

Ciência ao alcance de todos

Em novo ato, Universidade Federal Fluminense mostra a importância da instituição para a sociedade

Durante todo o dia, centenas de voluntários realizaram serviços gratuitos para a população e apresentaram um pouco das pesquisas nas mais diversas áreas realizadas dentro da instituição

Lucas Benevides

Alunos, professores e pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF) montaram salas de aula no Centro de Niterói ao longo de todo o dia de ontem. O objetivo do evento, chamado de UFF nas Praças, é de mostrar à população a importância da instituição, apresentando os trabalhos realizados na universidade. No próximo dia 25, a mostra será realizada no Campo de São Bento, em Icaraí. 

Localizados entre o Terminal Rodoviário João Goulart e a Praça Arariboia, área de intensa movimentação, representantes da instituição ofereceram serviços de atendimento gratuito, ações extensionistas e de divulgação científica e tecnológica. Mais de 300 trabalhos foram inscritos e 300 voluntários para participar do evento.

Entre os projetos apresentados ao público está o da mestranda em Turismo Jéssica Siqueira, sobre o setor turístico em Niterói, abordando duas vertentes importantes nestes tempos de crise: hospitalidade e inclusão. A professora de psicologia, da Faculdade de Educação, em Petrópolis, Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta, apresentou ao público o resultado de sua pesquisa com alunos autistas incluídos em classes regulares. Outro projeto relevante apresentado foi o “Lambe”, uma nova camisinha feminina, produzida com um material diferenciado que garante um maior grau de proteção à mulher contra o vírus HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis.

“A produção da instituição está sendo apresentada para a população. O evento tem uma participação muito grande de todos, uma rede de solidariedade interna, com muita dedicação porque essa é a nossa missão, a educação”, ressaltou a coordenadora do evento, Geralda Freire Marques.

Na parte da manhã, o vice-reitor da UFF, Fabio Barboza Passos, prestigiou o evento. Para ele, é preciso mostrar que a instituição é necessária não só para a comunidade acadêmica, mas para toda a população, que usufrui pesquisas que impactam nas políticas públicas do Brasil.

“Nós da comunidade acadêmica construímos uma universidade voltada para desenvolver conhecimento. Uma pesquisa pode dar resultado agora ou no futuro, e impactar na saúde dos brasileiros e nas políticas públicas do Brasil. Representantes da universidade estão em Brasília mostrando a importância da UFF e os ajustes de custos que já havíamos feito em outros bloqueios”, afirmou, completando que, sem o orçamento previsto, o funcionamento da universidade ficará inviável.

A movimentação acontece após o anúncio do ministro da Educação, Abraham Weintraub, do bloqueio de verbas do orçamento discricionário de 2019 em diversas instituições federais de ensino superior, justificada pelo governo por “balbúrdia” das instituições. Entre elas, a Universidade Federal Fluminense (UFF), com um corte de 30% dos recursos disponíveis para manutenção das atividades, como bolsas e auxílios a estudantes, energia, água, luz, obras de manutenção, pagamento de serviços terceirizados de limpeza, segurança, entre outros. O corte também chegou ao Colégio Pedro II (CPII) e ao Instituto Federal de Ciência e Tecnologia (IFRJ).

Em Nova Friburgo, alunos e professores dos cursos de fonoaudiologia, odontologia e biomedicina realizaram atividades gratuitas com a população das 10h às 16h, na Praça Dermerval Barbosa Moreira, no Centro. Exames de glicose, avaliação de surdez, prevenção do câncer de boca e aferição de pressão foram os principais serviços oferecidos no evento. O campi possui 26 laboratórios e mais de 640 alunos matriculados no três cursos de graduação e um mestrado em odontologia.

Atos – Após manifestações que levaram multidões às ruas de Niterói, Rio e de diversas cidades de todos os Estados do Brasil, mais dois atos já estão marcados em defesa da Educação. Hoje e no próximo dia 30, a partir das 17h, estudantes e trabalhadores da educação se reúnem na Candelária, no Rio, em manifesto contra o bloqueio de verbas.

No último dia 15, mais de 250 mil pessoas participaram da manifestação no Rio, que teve concentração também na Praça Arariboia.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top