Assine o fluminense

Demitidos cobram rescisão contratual

Ex-trabalhadores do Estaleiro Mauá realizaram uma manifestação ontem no Centro de Niterói, por conta dos atrasos

Manifestantes realizaram ato em frente ao Tribunal Regional do Trabalho

Evelen Gouvêa

Trabalhadores que estão entre os mais de 100 demitidos do Estaleiro Mauá em 2015 e em setembro do ano passado realizaram uma manifestação na manhã desta segunda-feira (11), em frente ao Tribunal Regional do Trabalho, no Centro de Niterói.

O intuito era, mais uma vez, reivindicar os pagamentos referentes à rescisão contratual que, segundo os ex-funcionários, não foram depositados pela empresa, oriundos de um acordo com os trabalhadores. Segundo os funcionários, no próximo dia 25, autoridades do Ministério Público Federal vão recebê-los para protocolar a ação contra a empresa. 

“Realizamos um protesto de indignação. Nós exigimos nosso pagamento. Não aguentamos mais passar fome, depender de outras pessoas para sobreviver. Muitos funcionários se viram como podem, vendem água na rua, recorrem a outras funções para se manterem vivos. É um descaso o que a empresa tem feito há anos com todos nós”, disse Sérgio de Queiroz Soares, pintor demitido no ano passado. 

No ato desta segunda estiveram presentes os trabalhadores que aguardam desde 2015 o pagamento do FGTS e os benefícios relacionados à demissão de funcionários do estaleiro Mauá e trabalhadores que foram demitidos em setembro do ano passado, e ainda aguardam que o acordo entre a empresa devedora e o Ministério Público do Trabalho seja cumprido. Nesse último caso, apenas duas parcelas, das 10 prometidas, foram pagas.  

Nas últimas demissões, 150 pessoas foram desligadas da empresa, entre funcionários antigos, recentes e os que foram readmitidos em 2015, após uma crise instalada na companhia.

De acordo com os funcionários, caso nenhuma resposta seja dada pela empresa ainda nesta semana, eles pretendem ir para a delegacia realizar uma queixa crime contra os autores das demissões. 

Procurado, o Estaleiro Mauá não se posicionou até o fechamento desta edição. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top