Assine o fluminense

Celebração de São Jorge reúne uma multidão de fiéis em Niterói

Programação aconteceu durante esta segunda-feira, com alvorada, missas e a tradicional procissão de fim do dia

Missas tiveram início nas primeiras horas da manhã, atraindo milhares de fieis

Foto: Evelen Gouvêa

O feriado de Dia de São Jorge não foi de praia, foi de fé. Centenas de fiéis prestaram homenagens ao Santo Guerreiro nesta segunda-feira (23), já desde cedo na tradicional Alvorada, no Centro de Niterói. Missas Campais e procissões também marcaram a data. Além das celebrações na Capela de São Jorge, o 12° Batalhão da Polícia Militar (Niterói) também recebeu os devotos do guerreiro.

Às 6h, muitos fogos marcaram o início da celebração na Rua Dr. Alcides Figueiredo, no Centro. Uma família de sete pessoas, todos moradores do Cafubá, na Região Oceânica, madrugou para acompanhar a Alvorada, que era motivo de curiosidade entre os membros. A tradição de visitar a igreja começou com a matriarca Alice Gonçalves Pereira, já falecida, e chegou na bisneta Manuella, de 7 anos.

“Nossa mãe nos levava na igreja de Quintino, na Zona Norte do Rio, e quando nos mudamos para Niterói, passamos a vir nessa aqui há 12 anos, agora trazendo os netos. São muitos anos vindo, mas nunca havíamos visto a alvorada, foi muito interessante. Nós pedimos muitas bênçãos a São Jorge e somos sempre agraciados”, comenta a garçonete Vera Lúcia Gonçalves Pereira, 54 anos.

Quem também passou a tradição para os mais novos da família foi a avó do empresário Rodrigo Poubel, 43 anos, que fazia aniversário no mesmo dia de comemoração do santo. Além de visitar a Capela de São Jorge no dia 23 de abril, a família também comparece ao local ao longo do ano para agradecer ao santo. Hoje, casado com a bancária Alessandra Diniz, 32, também católica, o casal está apresentando a tradição para o filho caçula, de 1 ano. 

“A ligação da família com o guerreiro é tão forte que minha irmã este ano se tornou organizadora da festa. Todo ano comparecemos a igreja, compramos a blusa para honrar a história dele. Nós mais agradecemos do que pedimos, pois acreditamos que já temos muito em nossa vida. Por isso, trouxemos o João Gabriel para conhecer esse ano”, contou. 

Foram seis missas ao longo do dia no local para homenagear São Jorge, às 6h30, 8h30, 10h30, 12h30, 14h30 e 16h30. Às 18h, a tradicional procissão que percorre as principais ruas do centro da cidade, também atraiu multidão.

Outro ponto procurado pelos devotos para honrar o santo foi o 12° BPM (Niterói), local que programa missa e procissão para os muitos fiéis do soldado, que lutou por sua fé e pelo cristianismo. A missa foi celebrada às 10h pelo Padre João Cláudio Loureiro do Nascimento, da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, no Bairro de Fátima, que contou durante o ato a história de seu pai, policial morto durante um combate. 

Fieis homenagearam o Santo Guerreiro

Foto: Evelen Gouvêa

“São Jorge foi um soldado que se converteu ao Cristianismo e entregou sua vida pela sua fé em Cristo. Ele era da Capadócia (atual Turquia) e passou a evangelizar pela região, se tornou um soldado de Cristo. Nesse contexto de violência em que estamos vivendo, é muito importante celebrar esta data. Mais que isso, precisamos rezar pela paz e pelo fim da violência e nada melhor do que aqui, casa dos policiais militares que também perdem a via para nos proteger”, afirma o padre. 

O anfitrião da celebração, o comandante do 12º BPM, coronel Márcio Rocha comentou ser uma satisfação receber a comunidade cristã e a população todo ano no batalhão. 

“É muito importante nos reunir para homenagear o santo. É uma data que já faz parte de nosso calendário. Pedimos a intercessão de São Jorge para conseguirmos paz para a cidade e sabedoria para as autoridades no momento de intervenção”, enfatizou. 

O aposentado Edson Moreira Rodrigues, 80 anos, conheceu a celebração do 12° através do amigo Marcus Jardim, que foi policial militar e secretário de Ordem Pública da cidade. Há quatro anos Edson reza para o santo e apenas recebe bênçãos. 

“Me salva das piores situações… até durante assalto já rezei para São Jorge e me livrei da violência. Peço que me livre do mal, mas também por proteção, saúde e honestidade para a população”, pede. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top