Assine o fluminense

Forte chuva atinge cidade de Niterói

Pontos de alagamento atingem a cidade. Alguns bairros estão sem energia elétrica

Alameda São Boaventura teve trânsito lento por conta de bolsões d'água e alagamentos

Foto: Colaboração / Vítor d'Avila

Chove forte em diversos pontos da cidade de Niterói, na manhã desta terça-feira (9). A previsão, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de chuva durante todo o dia, com máxima de 26 graus e mínima de 18 graus. Ainda não há registros de deslizamentos. As aulas das escolas estaduais e municipais estão suspensas.

Alguns bairros, como Largo da Batalha, Cafubá e Fonseca, por exemplo, estão sem energia elétrica. 

As ruas com bolsões d'água dificultaram também a passagem de veículos por diversas vias do Centro, Zona Norte, Zona Sul e Região Oceânica.

Alerta  
A Defesa Civil de Niterói emitiu um alerta, pouco antes das 5h desta terça-feira, aos moradores da cidade informando núcleos de chuva moderada. Em caso de emergência, ligue 199. 

Trânsito

A Av. Almirante Ary Parreira, em Icaraí, Zona Sul de Niterói, o fluxo de carros é lento. Na Av. Jornalista Alberto Francisco Torres, também em Icaraí, o trânsito flui lentamente, nos dois sentidos.

Na Rua Marquês do Paraná, no Centro, o fluxo de carros é lento por conta de pontos de alagamentos na via. 

Na Alameda São Boaventura, no Fonseca, Zona Norte de Niterói, o trânsito segue lento, nos dois sentidos. A RJ-104, conta com trânsito lento na altura do bairro Caixa D'água. 

A BR-101 conta com pontos de lentidão, do km 304, na altura do Jardim Catarina, em São Gonçalo, ao km 320, na Avenida do Contorno, em Niterói.

A Ponte Rio-Niterói apesenta retenção, no sentido Rio, dos acessos ao Vão Central e na saída para a Rodoviária. O tempo de travessia é de 23 minutos. No sentido Niterói, o fluxo é normal, com tempo de travessia de 13 minutos. A concessionária Ecoponte alerta que a Ponte Rio-Niterói conta com chuva forte em toda extensão. Muita prudência ao volante, e cautela com a pista escorregadia e visibilidade reduzida.

Aulas suspensas em Niterói

A prefeitura de Niterói informa que, devido à previsão de chuva de forte a moderada nas próximas horas, decidiu suspender as aulas na rede municipal de Educação.  

A Defesa Civil Municipal orienta os moradores a não se deslocarem pela cidade exceto em casos de extrema necessidade. Equipes de pronta resposta da prefeitura continuam acompanhando e monitorando de perto os núcleos de chuva e prestando atendimentos isolados à população. 

Não foi registrada entre a noite de segunda-feira e as 7h30 da manhã desta terça-feira (9), nenhuma ocorrência grave. A cidade segue em estágio de atenção. 

Os índices pluviométricos não atingiram, até agora, os níveis necessários para o acionamento de sirenes em Niterói. 

De acordo com o Centro de Monitoramento e Operações da Defesa Civil de Niterói atualizado 22h50, os maiores acumulados em 1h são: 

 
Morro do Bumba: 45,0 mm 

Bairro de Fátima: 38,8 mm 

Morro do Estado: 38,8 mm 

Jurujuba: 36,6 mm 

Cavalão: 42,4 mm 

Travessa Beltrão: 37,6 mm 

A Defesa Civil pede ainda que a população acompanhe os canais de comunicação da Prefeitura de Niterói. O Município conta com plantão 24h de monitoramento meteorológico, com envio detalhado de informações sobre a previsão do tempo e de avisos através do aplicativo Alerta DCNIT, SMS (40199) e grupos no WhatsApp. O Twitter (https://twitter.com/NiteroiPref) será atualizado com boletins das chuvas. 

Temporal deixa pelo menos três mortos no Rio de Janeiro

Pelo menos três pessoas morreram por causa da chuva que atinge, desde a noite da última segunda-feira(8), a cidade do Rio de Janeiro. Duas delas foram vítimas de um deslizamento no Morro da Babilônia, no Leme, zona sul da cidade.

A terceira morte, por afogamento, foi registrada na  Avenida Marquês de São Vicente, na Gávea. Segundo relatos, um homem que estava na garupa de uma moto acabou derrubado pela correnteza e arrastado pela água. Quando o alagamento na via diminuiu, o corpo foi encontrado preso embaixo de um carro.

O município do Rio de Janeiro está em estado de crise desde as 20h55 de ontem. As áreas mais afetadas foram as zonas sul e oeste. O temporal alagou ruas, derrubou árvores, destruiu carros e inundou túneis por toda a cidade.

De acordo com dados do Alerta Rio, o sistema de monitoramento meteorológico da prefeitura do Rio, o volume de chuva acumulado em apenas quatro hora na noite dessa segunda foi até 70% maior do que o esperado para todo o mês de abril em alguns pontos dessas regiões.

Na zona oeste, a estação medidora da Barrinha registrou 212 milímetros de chuva entre as 18h e as 22h. No mesmo período, na zona sul, choveu 168 milímetros em Copacabana, 164 na Rocinha e 149 no Jardim Botânico.

As sirenes de alerta para risco de deslizamento de terra foram acionadas em 21 das 103 comunidades monitoradas pela Defesa Civil Municipal. Mas, segundo moradores, o alarme não chegou a ser acionado no Morro da Babilônia porque estava faltando energia na comunidade no momento do temporal.

A chuva também provocou o desabamento de mais um trecho da Ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer. Desta vez, a parte que caiu fica próxima do bairro de São Conrado. O desabamento ocorreu por volta das 22h, quando a via já estava fechada. Foi  o quarto incidente desse tipo desde a inauguração da ciclovia, em janeiro de 2016. Um deles foi causado por ondas, durante uma ressaca, e três por temporais.

*Em atualização 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top