Assine o fluminense

Frota de ônibus é reduzida na cidade

Passageiros tiveram que esperar bastante nos pontos, já que os coletivos circularam com intervalos maiores

Frota na cidade está reduzida em razão do plano de contingência de racionalização do uso de combustível

Foto: Evelen Gouvêa

Nesta quinta-feira (24), a frota de ônibus na cidade, em São Gonçalo, Itaboraí e Maricá funcionou com redução de cerca de 15% a 20%, informou o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj), acrescentando que está sendo priorizado o horário do rush.

A Teroni, que administra o Terminal Rodoviário João Goulart, no Centro de Niterói, informou que, apesar da frota reduzida, não houve tumulto. A Viação Rio do Ouro informou que está com cerca de 40% dos ônibus parados e os combustíveis duram até esta sexta-feira (25). Não há garantia que as linhas funcionem no final de semana caso não seja confirmada a suspensão da greve dos caminhoneiros anunciada pelo Governo Federal.

A 1001 Urbano informou que as linhas que operam na Região Metropolitana, ligando Niterói ao Rio, vão permanecer em esquemas reduzidos caso a paralisação se mantenha. Nesta sexta-feira , caso a greve continue, a empresa vai operar com 60% da frota, mas com todas as linhas circulando. No sábado e domingo vai operar com apenas 30%, mantendo todas as linhas em funcionamento. A empresa não informou se terá condições de colocar os ônibus nas ruas na segunda-feira.

A Concessionária Novo Rio divulgou que as empresas que operam as linhas rodoviárias intermunicipais e interestaduais na Rodoviária Novo Rio e na Rodoviária Roberto Silveira, em Niterói, estão atendendo os passageiros, mas algumas delas garantem combustível apenas até esta sexta. 

Porém, em alguns casos, poderá ocorrer o remanejamento de horários, com a diminuição dos intervalos de saídas de algumas empresas.

A orientação da concessionária é que os usuários com passagens compradas procurem as centrais de atendimento das viações para maiores esclarecimentos, já que, caso a greve persista, pode ocorrer o desabastecimento das frotas e interrupção do serviço de transporte. 

Por conta da dificuldade no abastecimento, muitos niteroienses preferiram deixar o carro em casa e aderiram aos coletivos. A Roberto Silveira, em Icaraí, e a Alameda São Boaventura, no Fonseca, tiveram um aumento no número de pessoas nos pontos de ônibus. A aposentada Dilsa Martins, de 62 anos, não conseguiu abastecer o carro e optou pelo ônibus, saindo do Centro em direção a Icaraí em um transporte lotado às 8h. Às 10h, tentava um coletivo que a levasse para o Rio. A espera, no entanto, foi grande.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top