Assine o fluminense

Obra de ampliação do Maruí será entregue em setembro

Com a reforma que teve início em março, unidade terá um novo ossário, dois mil nichos e 500 gavetas

No Cemitério do Maruí, a parte de estrutura foi finalizada, e 95% da obra está concluída

Foto: Marcelo Feitosa

A conclusão da reforma do Cemitério do Maruí, no Barreto, Zona Norte de Niterói, anteriormente prevista para o final deste mês, foi adiada. A placa informativa que fica na entrada do local foi corrigida, e agora o novo prazo é setembro. De acordo com a assessoria da prefeitura, “a obra está dentro do cronograma e encontra-se em fase de acabamento”. Os outros cemitérios da cidade também estão passando por reformas. Marcas de descaso, contudo, continuam aparecendo. Na Zona Sul, uma caçamba na calçada em frente ao cemitério São Francisco tem caixões quebrados e cabelos de corpos já exumados. 

No cemitério do Maruí, que sofria com superlotação, a reforma começou em março, com construção de novo ossário, dois mil nichos e 500 gavetas. A parte de estrutura foi finalizada, e 95% da obra concluída. Em 2016, ossadas humanas foram flagradas se acumulando no teto de um dos ossários, evidenciando a superlotação do cemitério mais antigo da cidade. Para resolver o problema, está em andamento um processo para cremação dos ossos dos quatro ossários da cidade (dois no cemitério do Maruí, um em São Francisco, e um em Itaipu). Após a cremação desses ossos, será decidido se haverá a demolição ou reforma de um dos ossários. Uma licitação para a reforma das capelas e administração está na fase administrativa para a realização da licitação da empresa que executará a obra. A parte relativa à engenharia e orçamento está concluída. 

No São Lázaro, em Itaipu, ações de limpeza e conservação foram realizadas, mas o muro carece de reparo

Foto: Marcelo Feitosa

No cemitério São Lázaro, em Itaipu, Região Oceânica de Niterói, a situação é menos preocupante do que era há cerca de seis meses. Em janeiro, matéria de O FLUMINENSE mostrou o acúmulo de lixo, restos de animais mortos e mato alto tomando conta do local. Recentemente, o cemitério passou por limpeza, e apresenta aparência mais conservada. Pequenos ajustes, como manutenção de covas destruídas e o conserto do muro traseiro do cemitério, na Rua da Amizade, que tombou após a colisão de um caminhão, ainda precisam ser feitos. 

A prefeitura informou que há um processo de reforma em andamento para as unidades de Itaipu e São Francisco, e que são 24 profissionais trabalhando na manutenção nesses dois cemitérios.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top