Assine o fluminense
Para todos os gostos

Antonio José Barbosa aborda temas do mundo jurídico, além de problemas relacionados à segurança, política e da cidade. E-mails para esta coluna:antoniojmadv@gmail.com

Verdade

Confira a coluna desta semana do presidente da OAB Niterói

Não resta dúvida, mas é um fato. Por isso, a presidência da OAB de Niterói, apesar das dificuldades existentes, especialmente  no  meio do Judiciário, vai continuar enfrentando as adversidades, sem nunca desmerecer a confiança depositada pela classe. A solução de todos os problemas  está acima de suas forças porque procedem dos Três Poderes.

Ela não pode ser responsabilizada, por exemplo, pelo mau humor de certos magistrados, processo eletrônico, revistas fora de propósito, aumento das custas, demora em despachos, alvará só em nome do cliente e por leis capengas.

E muito menos pelo recesso das Olimpíadas, que somados às férias dos advogados e dos juízes e outros de proporções quebra-galho, colocarão  a advocacia num imenso buraco em relação aos dias de trabalho.

Os problemas não são originários da instituição, mas  da falta de compreensão e respeito pelos advogados e de excessos de leis, algumas arcaicas que  merecem ir para a lixão mais próximo.  

Muitas delas complicam a aplicação da justiça e causam intermináveis discussões no Judiciário.

A OAB de Niterói cumpre com seu papel lutando com as armas que dispõe:  a palavra. Outras soluções estão sob o comando de outras entidades que possuem essa voz unida.

Outro problema sério é o perigo de o Judiciário querer assumir a posição do dono da verdade e passar a atuar como principal poder da nação. Aí a independência vai para o beleléu. 

Embora o Legislativo e Executivo estejam contribuindo de forma avassaladora para seu descrédito, há necessidade de os poderes sem manterem independentes, por fazer parte da democracia.

Mas esse risco está acontecendo pelo crescimento da Justiça no conceito da opinião pública e queda dos outros dois poderes. Basta olhar os pedidos de bênçãos que deputados, senadores e membros do Poder Executivo  vão lá em busca do que podem ou não pode fazer. Essa aproximação acaba aumentando os já tão desprestigiados  Executivo e Legislativo.

A OAB de Niterói luta pela independência dos poderes, sem querer  que um se julgue acima do outro e  defende mais respeito ao  advogado e menos egoísmo, porque somente assim haverá maior tolerância, fraternidade e igualdade.

Em vez do “mando eu e não o senhor”, no atual contexto, seria importante que se respeitassem os direitos do advogado. 

É a única rodovia para  se chegar a  um consenso seguro, sem os percalços  que a povoam.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Mais notícias de

Scroll To Top