Assine o fluminense

Simulador de capotagem é instalado em Copacabana

Equipamento visa conscientizar motoristas sobre a importância do uso do cinto de segurança

Ao entrar no carro, o motorista fica de cabeça para baixo, simulando um acidente

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A sensação de estar de cabeça para baixo durante uma capotagem pôde ser sentida por pessoas que passeavam neste domingo (23) pela Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. O objetivo era conscientizar os motoristas e passageiros de que, sem o cinto de segurança, a experiência poderia ser muito pior.

A ação faz parte de uma campanha de conscientização promovida pela Michelin e pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA). Para simular um acidente, um carro foi levado para o canteiro central da Avenida Atlântica e instalado em uma estrutura capaz de fazê-lo girar como em uma capotagem.

Ao entrar no veículo e ver-se de ponta-cabeça, em meio a bolas de plástico que se movimentam com a força da gravidade, o público percebe ainda que objetos soltos como celulares podem causar sérios danos aos passageiros de um carro durante um acidente.

O coordenador do programa, Gilmar Batista, explica que o objetivo é sensibilizar para o uso do cinto, inclusive no banco de trás dos automóveis.

“Se as pessoas usassem corretamente o cinto, reduziríamos em até 80% o nível de mortos em acidente de trânsito”, disse.

Gilmar alerta ainda que é preciso guardar os objetos e bagagens em locais seguros, como o bagageiro e o porta-luvas.

"Não recomendamos o uso de nenhum objeto dentro do carro”, aconselha.

A fisioterapeuta Marcela de Santana, de 36 anos, trabalha frequentemente com a recuperação de acidentados no trânsito e já se considerava consciente sobre a importância do cinto de segurança. Apesar disso, ela se surpreendeu com o risco que os objetos soltos representam.

“Foi importante para ter a noção de que as coisas que estão soltas podem bater em você e te machucar”, declara Marcela. “Acessório no carro nunca mais”.

A experiência fez a administradora de empresas Luciana Braga, de 47 anos, sair tremendo do simulador. A sensação de ficar de cabeça para baixo foi angustiante e a convenceu de que é preciso ser mais insistente para que os passageiros usem o cinto no banco de trás.

“A partir dessa experiência, vou cobrar mais. Não só de mim, mas das pessoas que estiverem comigo. Até porque, em uma colisão, não adianta eu estar com cinto, e as pessoas de trás, não”, promete Luciana.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top