Você faz a notícia

De terra e de mar

Nesta edição do Pé na Estrada, confira histórias dos amantes da natureza no Estado do Rio de Janeiro

Renata Chianelli e Victor Abreu adoram acampar pelas montanhas e praias do Estado

Foto: Arquivo Pessoal

O Rio de Janeiro é conhecido mundialmente por suas belezas naturais. O Estado está repleto de lugares paradisíacos onde é possível aproveitar os feriados para recarregar as energias. Viajar para esses lugares possibilita o contato com dois elementos fundamentais na natureza: a água e a terra.

A estudante de arquitetura Renata Chianelli aproveita as folgas do ano para acampar. Ela acredita que dessa maneira acaba tendo uma experiência maior com o local, pois consegue conhecer melhor os lugares.

“Para quem gosta de estar na natureza, é bastante libertador. Acredito que esse tipo de viagem faz com que a gente veja o mundo de outra forma. Ao nos distanciar da rotina, das cidades, nos deparamos com o mundo como ele realmente é, com todas suas maravilhas e sua simplicidade”, revela.

Maria Hennies aproveita as folgas para visitar cachoeiras

Foto: Arquivo Pessoal

No Estado do Rio, Renata já acampou em Ilha Grande, Martim de Sá (Paraty), Parque Nacional da Serra dos Órgãos, conhecido como Parnaso (Petrópolis), Aldeia Velha e Sana. Ela confessa que não é a forma mais confortável de acomodação, às vezes volta mais cansada para casa, mas, segundo ela, as experiências que traz na bagagem, como tomar banhos de cachoeira e ir para praias paradisíacas e desertas, não têm preço.

“Ilha Grande foi o lugar que acampei mais vezes, no total foram quatro. E na última vez que fui, eu e meu namorado demos a volta na Ilha a pé. Foi incrível! Uma das melhores viagens da minha vida. Nós caminhamos por uma semana e foi possível dormir em praias maravilhosas. Só eu, ele e a linda mãe natureza”, relembra.

A Ilha, inclusive, foi o primeiro lugar para onde a estudante viajou para acampar. Ela acredita que essa escolha a fez se apaixonar pela prática. Lugares que possibilitem o acampamento são sempre a primeira opção de Renata quando pensa em viajar.

“Vou sempre à procura de trilhas que possam me proporcionar uma vista legal ou então fontes de água como praias e cachoeiras para me banhar. Posso dizer que trilhar acaba sendo a atividade principal, mas acabamos tendo a oportunidade de relaxar em todos esses lugares e apreciar a natureza”, explica.

Quem também adora fazer trilhas em viagens no Estado é a estudante de biologia Brida Gomes. Ela, que ama viajar e ama a natureza, junta as duas paixões sempre que pode para recarregar as baterias. Brida acredita que a natureza, por si só, proporciona o equilíbrio espiritual.

“Quando eu entro na mata, já sinto outra atmosfera e deixo todos os meus problemas para trás, é como se eu estivesse em paz comigo mesma. Também amo a sensação de ter o esforço físico sendo recompensado com uma vista maravilhosa ou com um belíssimo banho de cachoeira. Fazer trilhas é uma das melhores maneiras de se exercitar para mim”, confessa.

A estudante, nascida no Espírito Santo, mora no Estado do Rio há pouco mais de 1 ano e ainda não conheceu nem metade dos lugares que pretende. Ela já viajou para Aldeia Velha, Maringá (Visconde de Mauá), Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e já fez algumas trilhas pelo Rio de Janeiro como a do Morro Dois Irmãos e algumas pela Floresta da Tijuca. Dos lugares que visitou, o seu preferido é Aldeia Velha, onde esteve em duas oportunidades.

“Aldeia Velha possui uma natureza maravilhosamente conservada, pessoas incríveis, riachos e cachoeiras belíssimos, e ainda tem a Reserva Particular do Patrimônio Natural Bom Retiro, uma área de preservação particular que vale muito a pena visitar. Além disso, o rio que corta a vila já faz valer a pena a viagem”, afirma.

Segundo Brida, o Parnaso é um dos parques que não pode faltar na lista de quem deseja fazer trilhas pelo Rio de Janeiro. “O local é lindíssimo, proporciona vistas estonteantes e ainda possui trilhas de diversos níveis de dificuldade, sendo acessível para pessoas de todas as idades e gostos”, aconselha.

Para quem deseja fazer trilhas, Brida dá dicas: invista em sapatos confortáveis, desse modo você evitará dores e possíveis acidentes; leve sempre muita água com você, pois se manter hidratado é essencial; e sempre repare na natureza ao seu redor, aprecie a trilha, preste atenção nos pequenos seres vivos que cruzam o seu caminho.

“Fazer trilha não se resume a andar para chegar em algum lugar, todo o passeio é maravilhoso e vale a pena, por isso sempre vá com calma e desfrute todo o ambiente. É sempre bom lembrar que a mata é lugar de silêncio e que tudo que você levar tem que voltar com você, por isso sempre recolha o seu lixo”, pondera.

Existem pessoas que têm uma relação forte com a água. É o caso da fotógrafa Maria Hennies. Para ela, a água, como elemento, tem um poder sutil de limpeza energética. Seja no banho diário, na piscina, na praia ou na cachoeira.

“No meu gosto pessoal, a cachoeira sempre se destaca por ser de água doce e por ser em meio à mata, o que traz uma conexão mais forte do meu espírito com a natureza. Eu sinto é que ela te mantém no momento presente, o que relaxa e alivia a pressão cotidiana”, analisa.

Nascida em Petrópolis, Maria está acostumada desde criança a estar no mato. Na cidade, a fotógrafa foi descobrindo outras cachoeiras menores, além do Veu da Noiva, pelos bairros da cidade, como a represa do Caxambu, a cachoeira do Ventania e o Poço Negro do Rocio. Em Teresópolis, no Vale do Jacó, também é possível conhecer outras cachoeiras.
“No Vale do Jacó tem um lugar chamado Shiva Ashram, que funciona como um retiro de yoga. Por lá dá para encontrar um rio, que ao subir tem um pequeno lago maravilhoso. É uma experiência muito boa poder achar uma cachoeira no meio da trilha, sem ninguém ter te falado sobre ela. Ou quando você encontra uma nascente, e sabe que ao segui-la vai ver um rio se transformando”, descreve Maria, que também já foi na Ilha do Sono, em Paraty.

Amante de água salgada, a esteticista Gabrielle Barth sempre opta por lugares com praias quando decide viajar. Ela com frequência viaja para Angra dos Reis, na região da Costa Verde. Mas praias da Região dos Lagos como Búzios e Cabo Frio sempre estão na sua lista.

“Quando estou muito estressada com o trabalho, gosto de viajar para um lugar que tenha praia, para repor as energias e voltar mais leve para a correria do dia a dia. E sempre resolve, volto mais feliz e mais leve”, analisa.

A esteticista conta que as viagens que costuma fazer para Angra são sempre em família. Por isso, a praia é a sua preferida. “Poder juntar os dois é muito gratificante pra mim. Fico feliz em reunir todos e ainda curtir o mar e relaxar”, finaliza.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top