Assine o fluminense

História real sobre transfobia

O ator Luis Lobianco está em cartaz no Teatro da UFF com o espetáculo ‘Gisberta’

O espetáculo está em cartaz de sexta a domingo, às 20h, e nele Lobianco interpreta cerca de dez personagens e ainda canta

Foto: Elisa Mendes / Divulgação

Até o dia 29, o palco do Teatro da UFF recebe nas sextas, sábados e domingos, às 20h, o espetáculo “Gisberta”, idealizado pelo ator Luis Lobianco, com direção de produção de Claudia Marques, texto de Rafael Souza-Ribeiro e direção de Renato Carrera. 

A peça mistura política, música, poesia, história e ficção para contar a história real de Gisberta, brasileira vítima de transfobia, que teve uma morte trágica no Porto, em Portugal, após ser torturada por um grupo de 14 menores de idade. 

Após o ocorrido em 2006, a brasileira tornou-se ícone na luta pela erradicação da LGBTfobia em Portugal e inspirou o ator a alertar a todos que o Brasil é o País que mais assassina essa comunidade no mundo. Para isso, Lobianco, que é muito conhecido pelos papéis bem-humorados interpretados no canal Porta dos Fundos, utiliza o humor com responsabilidade, a fim de conquistar empatia do público.  

“Acabei reconhecendo ao longo dos anos que apontar preconceito e intolerância é uma das características do meu trabalho. Mesmo quando não sou tão literal e mesmo quando é humor. “Gisberta” trata de uma tragédia real do desamor e isso me mobilizou completamente”, afirma ele.
Na interpretação, o ator, com 23 anos de carreira, apresenta suas facetas ao incorporar um mosaico de personagens e vozes. O longo e emocionante texto, que dá vida à este cenário, exigiu do artista total dedicação, que fez com que ele se trancasse em um quarto por 40 dias. 
“Em respeito à sua dor, eu observo Gisberta com muitos olhos. Acho que ela surge muito mais vibrante assim”, explica. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top