NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Um mergulho profundo na mente das crianças

Os psiquiatras Fábio Barbirato e Gabriela Dias contam histórias de pacientes

Divulgação: Marcelo de Jesus

Um menino que até os 7 anos nunca havia dado um sorriso. O adolescente, fã de Neymar, que está se alfabetizando graças às letras e números estampados nas camisas de futebol. Um jovem que se recusa a entrar em ônibus cheio, mas sabe os nomes de todas as ruas num percurso de 500 quilômetros.

Personagens reais como esses frequentam o Ambulatório da Psiquiatria Infantil da Santa Casa, no Rio de Janeiro, referência no País. À frente, está o renomado psiquiatra infantil Fábio Barbirato, que comanda uma equipe de 42 profissionais. Todos trabalham de forma voluntária.

“O menino que nunca sorriu” (Máquina de Livros) reúne alguns dos mais emocionantes casos atendidos na Santa Casa em quase 20 anos. Barbirato e sua mulher, a também psiquiatra Gabriela Dias, contam histórias de crianças e adolescentes tratados no ambulatório – portadores de autismo, ansiedade, depressão, hiperatividade e outros transtornos.

Escrito em parceria com o jornalista e dramaturgo Gustavo Pinheiro, que passou dois anos frequentando o setor de psiquiatria infantil, eles chegaram às 32 crônicas do livro.

São histórias reais, surpreendentes, de superação e amor, um mergulho num universo até hoje pouco explorado.

“Nosso objetivo é que os transtornos mentais saiam da sombra do preconceito e do estigma e ganhem a luz do esclarecimento. Quanto mais falarmos, mais vidas serão salvas”, diz Fabio Barbirato.

Com uma narrativa sensível e envolvente, “O menino que nunca sorriu” é também uma bússola valiosa para a missão cada vez mais desafiadora de criar filhos no mundo contemporâneo.
 

 

 

 

“Escolhemos algumas das histórias mais emocionantes. São lindas histórias, foram muitos sorrisos e muitas lágrimas. Nossa ideia é mostrar os transtornos na infância e as histórias que cercam essas crianças. Passar informação, mas principalmente combater o preconceito”, completa Gabriela Dias.

“O menino que nunca sorriu” já está disponível nas livrarias e também nas plataformas digitais. 

Aquarela criativa. Um passo a passo para iniciantes (GG Brasil)

A aquarela é uma técnica linda e prazerosa que guarda muitos segredos e surpresas. Neste livro, Ana Victoria Calderón, uma conhecida aquarelista e professora de arte, revela suas técnicas em um passo a passo para quem quer aprender a pintar em aquarela, combinando liberdade criativa e precisão.
O escritor múltiplo na cena contemporânea (Civilização Brasileira)

Neste livro, Evelina Hoisel, professora titular de Teoria da Literatura, debruça-se sobre questões referentes ao universo da teoria, da crítica e da criação literária, abordando questões contemporâneas, segundo aspectos de autobiografia, autoficção e bioficção.

A Perversão e a Psicanálise (Aller Editora)

Um dos conceitos mais importantes da psicanálise ainda suscita muitas dúvidas e discussões. Questões como “os perversos são analisáveis?” ou “existem mulheres perversas?” são objeto de debate de Luis Izcovich nessa jornada audaciosa em um dos temas mais complexos e controversos da clínica psicanalítica.

Eu sou dinamite! A vida de Friedrich Nietzsche

Considerada pela crítica a melhor biografia já escrita de Friedrich Nietzsche, “Eu sou dinamite!” (Editora Planeta) chega ao Brasil pelo selo Crítica, da Editora Planeta. Na obra, Sue Prideaux tira o intelectual das sombras, dos rumores que sempre o cercaram, e o aproxima do leitor. 
 

 
Scroll To Top