Assine o fluminense

Índice Nacional de Custo da Construção avança em maio

Rio de Janeiro apresentou aceleração em suas taxas de variação

Depois de fechar abril com deflação de 0,08%, o Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) registrou, em maio, taxa de variação de 0,13%. Os dados foram divulgados hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Segundo a FGV, o grupo relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação em maio de -0,04%, deflação menor do que os 0,18% do mês anterior. Já o índice referente à Mão de Obra registrou alta de 0,27%, depois de ter ficado estável em abril (0,00%).

O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Pelos números divulgados pela FGV no grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação negativa de 0,04%, contra deflação de 0,21% em abril. Dos quatro subgrupos componentes, apenas um apresentou acréscimo em suas taxas de variação, materiais para estrutura, que passou de -0,67% para -0,1%.

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de -0,07%, em abril, para -0,05%, em maio. Nesse grupo, destaca-se a aceleração de carreto para retirada de entulho, cuja taxa passou de 0,66% para 1,84%.

Mão de obra

Segundo a FGV, o índice referente à Mão de Obra registrou variação de 0,27% em maio, depois de ter fechado estável em abril ( 0,00%). Esta variação ocorreu devido aos reajustes salariais em Salvador e Brasília.

Capitais

Entre as sete capitais envolvidas na pesquisa, quatro apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Salvador, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Em contrapartida, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre registraram desaceleração.

A maior variação entre abril e maio foi verificada em Salvador, com alta de 1,05%, seguida de Brasília (0,38%), do Rio de Janeiro (0,09%) e de São Paulo (0,04%). Entre as capitais pesquisadas que fecharam com taxas em queda estão Belo Horizonte (de -0,12% para -0,18%), Recife (de 0,03% para -0,02%) e Porto Alegre, que passou de um resultado estável em abril (0,0%) para uma inflação negativa de 1%.

Sed rutrum leo sed nisl tempus euismod. Sed sollicitudin porta dignissim. Morbi accumsan enim in quam fermentum consectetur. In at velit in risus imperdiet egesta vehicula eu diam. Suspendisse accumsan risus nulla, a rutrum leo iaculis non. Nullam vel hendrerit tellus. Duis molestie eu lorem vel molestie. Praesent a nulla odio. Vestibulum ante ipsum primis in faucibus orci luctus et ultrices posuere cubilia Curae; Vivamu commodo eros felis, vel tempus felis rutrum eu.

Aliquam imperdiet efficitur eros tempor tempus. Aenean sit amet mi massa. Cras ut leo posuere, sollicitudin sem at, feugiat elit. Sed viverra ultrices ante, vel vehicula erat molestie et. Aliquam tincidunt elementum ipsum, vel suscipit arcu laoreet et. Aliquam eget mi urna. Phasellus consequat suscipit ornare. Vivamu faucibus odio sit amet enim efficitur ultrices. Aliquam ut pellentesque urna. Etiam tortor erat, rhoncus et orci id, venenatis venenatis magna. Aenean imperdiet augue nulla. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. Ut pellentesque eros eros, quis euismod elit mollis ut. Duis tellus metus, mattis non sagittis ac, pharetra nec turpis. Etiam vitae eros ac nisi commodo viverra.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top