Você faz a notícia

Empate heróico em Guayaquil

Botafogo busca empate de 1 a 1 diante do Barcelona-EQU e mantém liderança do Grupo 1 da Libertadores

O atacante Sassá marcou o gol que decretou o empate em 1 a 1 entre Botafogo e Barcelona, no Equador

Foto: Divulgação/Conmebol

O Botafogo enfrentou o Barcelona de Guayaquil no Equador nesta quinta-feira e conseguiu um valioso empate em 1 a 1. O jogo, válido pela terceira rodada do Grupo 1 da Libertadores, teve gols de Alemán, no primeiro tempo, e Sassá, de pênalti, nos minutos finais da partida.
O resultado completa a sequência de duas partidas fora de casa do Fogão, que na semana passada venceu o Atlético Nacional, na Colômbia, por 2 a 0. A boa campanha do Alvinegro o coloca na ponta da tabela com 7 pontos, mesmo número do Barcelona.

O primeiro tempo em Guayaquil começou de forma surpreendente. Em seu primeiro lance de ataque, Pimpão serviu Roger na área e o atacante foi derrubado. Pênalti para o Botafogo que Camilo cobrou mal, o goleiro defendeu e, no rebote, João Paulo tentou o chute, mas Banguera salvou o Barcelona novamente, tudo antes dos 2 minutos de jogo.

O time equatoriano sentiu o susto e demorou alguns minutos para se recuperar. O Botafogo, atuando com três volantes, marcava forte e buscava os contra-ataques. E, pelo menos nos primneiros trinta minutos de jogo, a estratégia parecia que daria certo. Os comandados de Jair Ventura dominaram o confronto e criaram algumas chances de abrir o placar.

Aos 18, escanteio cobrou escanteio e Emerson Silva acertou a cabeçada em direção ao gol, mas Banguera fez boa defesa. No rebote, Pimpão quase marca, mas a bola parou na trave.

Cinco minutos depois, novo bom ataque do Alvinegro. Camilo recebe em profundidade e tenta o gol, mas o zaguero Darío Aimar corta. A jogada segue com Pimpão, que cruza para a área e acha Roger, que tocou para João Paulo tentar de cabeça, mas Banguera pegou.

O Barcelona iniciou uma reação aos 27, quado Alemán recebeu na entrada da área e chutou forte para a defesa de Gatito. No minuto seguinte, foi a vez de Álvez arriscar depois de costurar pela defesa, mas novamente Gatito estava lé para defender.

Apesar de melhor em campo, o Botafogo viu o time da casa abrir o placar aos 31. Alemán tabelou com Álvez, entrou na área, se livrou da marcação, driblou Gatito e tocou para o fundo da rede.

O Botafogo, depois de criar várias chances e não conseguir marcar, sentiu o gol do adversário, e a “temperatura” do confronto aumentou nos minutos finais do primeiro tempo.

O Alvinegro ainda teve uma chance antes do apito. Aos 43, Roger ajeitou para Camilo acertar uma bomba, mas novamente Banguera defendeu.

O Alvinegro carioca não voltou para a etapa final com o mesmo ritmo. Sem ver seu time mostrar capacidade de reação, Jair Ventura iniciou uma série de substituições. Aos 19, tirou Roger para a entrada de Sassá. Já aos 25, abandonou o esquema com três zagueiros com a entrada de Guilherme no lugar de Rodrigo Lindoso.

Os esforços ofensivos do Bota, porém, continuavam morrendo na ineficiência das finalizações. Aos 28, Sassá perdeu um gol feito. João Paulo mandou na área, Camilo tocou de cabeça para Sassá que, livre, cabeceo para fora.

O Barcelona respondeu aos 32. Bruno Silva falhou, Álvez ficou com a bola e soltou a bomba e Gatito defendeu. Ayoví aproveitou o rebote mas João Paulo cortou e cedeu o escanteio.

Aos 34, a sorte voltou a sorrir para os cariocas. O zagueiro Jefferson Mena fez falta dura em Guilherme na entrada da área, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Com a vantagem numérica, o Fogão partiu em busca do empate. Aos 37, Jair Ventura tirou o zagueiro Emerson Santos para a entrada do meia Fernandes.

Mesmo com toda a pressão, o empate acabou saindo numa falha de Arreaga, que meteu a mão na bola dentro da área, num cruzamento sem perigo. Sassá cobrou e deixou tudo igual no placar.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

paulo cesar oliveira
Jogo de ontem me surpreendeu, pois esperava mais do Barcelona. O time é ruim, fraco mesmo. A destacar, a atuação ruim, mais uma vez, do Camilo. Não passa um bom momento.
Vote up!
Vote down!

: 0

You voted ‘up’

Scroll To Top