NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Everton quer a seleção ligada

Everton acredita que enfrentará uma nova seleção na final deste domingo, no Maracanã. Ele quer o Brasil atento

Lucas Figueiredo/CBF

Everton se tornou titular da Seleção Brasileira justamente no confronto em que o Brasil enfiou 5 a 0 no Peru, pela última rodada da primeira fase da Copa América. Com uma atuação bastante elogiada em Itaquera, o atacante do Grêmio não saiu mais do time e agora deve ser uma das armas de Tite para buscar o título no domingo, novamente diante dos peruanos, agora no Maracanã.

“Assim como a gente, eles cresceram no momento certo da competição. Da nossa última partida contra eles, é uma equipe que modificou a mentira de jogar. Não chega a ser nenhuma surpresa porque eles fizeram grandes jogos. Contra a gente também eles vinham bem até tomar o primeiro gol. Como aquele gol saiu de forma rápida, acabou abalando a equipe deles, mas a gente sabe da dificuldade que vamos enfrentar”, comentou Cebolinha na tarde dessa quinta-feira.

“É um jogo totalmente diferente. A equipe deles tem algumas mudanças, vai ser um jogo totalmente diferente. Vamos estudar a equipe deles para domingo fazer um grande jogo”, concluiu.

Substituído no intervalo do jogo contra a Argentina, Everton deve ganhar mais liberdade na final, pois Tite explicou que teve de sacrificar um pouco do talento do camisa 19 para dobrar a marcação em Lionel Messi. Agora será uma nova história.

Entrosamento – Com Filipe Luís praticamente descartado da final da Copa América, Alex Sandro deve ser o titular da Seleção Brasileira domingo, contra o Peru. Diante Paraguai e Argentina, o lateral esquerdo entrou e agradou. Até mesmo a falta de entrosamento com Everton, atacante que faz a dobradinha pela esquerda da Seleção, não tem sido problema.

“Cada jogador tem sua característica. Não posso dizer que eu jogo igual ao Filipe ou que ele joga igual a mim. Não é tão difícil jogar com o Everton. Não é tão difícil jogar com um jogador que tem tantas qualidades e virtudes. Estamos entrosados. Independentemente se joga eu ou o Filipe, isso se torna um ponto fácil”, comentou Alex Sandro nessa quinta, no Rio de Janeiro.

“São jogadores até que bem parecidos. Não muda muita coisa, talvez o entrosamento poderia se o ponto principal. São características parecidas, dois atletas que defendem muito bem e é difícil hoje em dia no futebol moderno os laterais defenderem tão bem e atacar com uma efetividade muito grande. São características parecidas, talvez a diferença seja mais o fato do entrosamento”, completou Everton.

O jogador da Juventus-ITA manteve a solidez do sistema defensivo brasileiro, que até agora não tomou nenhum gol na competição continental. 
Chileno vai apitar a final 
A decisão da Copa América já tem o responsável pelo apito. O árbitro chileno Roberto Tobar comandará a partida entre Brasil e Peru, programada para este domingo, às 17 horas (de Brasília), no Maracanã. Ele será auxiliado pelos compatriotas Christian Schiemann e Cláudio Rios, além de Julio Bascuñan, que ficará com o VAR.

O quarteto chileno é o mesmo que conduziu as quartas de final entre brasileiros e paraguaios. Na ocasião, o árbitro de vídeo ajudou o juiz de campo a rever um pênalti assinalado para o Brasil, que virou falta fora da área e culminou na expulsão de Balbuena. A partida terminou sem gols, e os donos da casa avançaram na marca da cal.

Tobar também atuou na vitória da Colômbia sobre a Argentina por 2 a 0, na estreia das duas seleções. O chileno é o árbitro mais renomado de seu país e faz parte do quadro da Fifa. Apesar disso se envolveu em algumas polêmicas, como o “Clube do Pôquer” de 2012, esquema no qual os juízes chilenos decidiam no jogo de cartas quem conduziria cada jogo no campeonato nacional, e acusações de que ameaçava agredir jogadores durante as partidas.

A Conmebol ainda divulgou a equipe de arbitragem da disputa do terceiro lugar, entre Argentina e Chile, marcada para este sábado, às 16 horas, na Arena Corinthians. Mario Diaz de Vivar será o árbitro, e terá Eduardo Cardozo e Dario Gaona como assistentes, todos do Paraguai. O VAR fica por conta do peruano Diego Haro.

Argentina – A chuva que cai desde a manhã desta quinta-feira em São Paulo atrapalhou a preparação da Argentina para a disputa pelo terceiro lugar da Copa América, contra o Chile.

Com um treino programado para as 17 horas (de Brasília), no estádio do Pacaembu, o elenco alviceleste teve de trabalhar a parte física no hotel em que está hospedado, no bairro do Ibirapuera.

Por volta das 15 horas desta quinta, a AFA (Associação de Futebol Argentino) confirmou a mudança do local de trabalho em razão das condições climáticas. 

Scroll To Top