NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Flamengo bem na questão financeira

Nas finanças do futebol brasileiro, a dominância de Palmeiras e Flamengo permanece intacta. É o que mostra a Análise Econômico-financeira do Itaú BBA, divulgada nesta terça-feira, que tem o Verdão e o Rubro-Negro como os detentores das maiores receitas do país (números de 2018), dentre os 27 principais clubes nacionais. Na sequência, estão São Paulo e Corinthians, que, para o especialista César Grafietti, também são os únicos com chances de alcançar o nível econômico dos rivais, embora estejam desperdiçando seus potenciais de crescimento. 

“Naturalmente, Corinthians e São Paulo são os clubes com maior potencial. Por estarem muito abaixo de suas capacidades, mas que, com algum ajuste, não tão grande, conseguem se resolver. O Grêmio já passou deste estágio. Mas, considerando a distância natural entre um time que é mais regional e clubes mais nacionais, como Palmeiras e Flamengo, acho que vai chegar próximo, mas certamente nunca vai colar nesses dois”, apontou. 

O problema é que as receitas obtidas por Tricolor e Timão (R$ 399 e R$ 389 milhões, respectivamente), em 2018, estão bem abaixo das obtidas por Palmeiras (R$ 654 milhões) e Flamengo (R$ 536 milhões). Para o consultor, a saída para os dois clubes paulistas seria vender melhor suas respectivas marcas, além de, com um ajuste de gastos, voltar a conquistar resultados positivos dentro de campo. 

“Primeiro, do ponto de vista de receita, a necessidade é conseguir rentabilizar melhor sua marca. Por exemplo, muitos clubes perderam publicidade no ano passado. São Paulo e Corinthians são os exemplos mais claros, porque possuem um terço das receitas de publicidade de Palmeiras e Flamengo”, sugeriu. 

Scroll To Top