Assine o fluminense

Os craques sem títulos mundiais

Nomes ilustres do futebol mundial não tiveram a sensação de levantar a taça

A geração de Zico merecia melhor sorte nos mundiais da Espanha e México

Foto: Divulgação

Zico, Leônidas da Silva, Falcão, Platini, Eusébio e Cruyff são exemplos de craques que brilharam intensamente nos campos de todo mundo. Jogadores consagrados, eles conquistaram muitos títulos nacionais e internacionais pelos seus clubes. E na sua época, foram destaques absolutos das suas seleções. Só que o destino foi ingrato com esses jogadores que carregam nas costas o peso de nunca terem conquistado uma Copa do Mundo, troféu maior para os profissionais de futebol. 

O mundo esportivo já viu seleções de grande qualidade técnica como as do Brasil de 50 e 82, a Hungria de 54 e a Holanda de 74, todas formadas por jogadores de grande talento, mas que não levaram sorte nas copas, perdendo para equipes de menor capacidade técnica mas de maior competência na hora da decisão. 

País com maior número de títulos e ,consequentemente, de jogadores campeões mundiais, o Brasil conta com craques consagrados como Pelé, Garrincha, Didi, Gérson, Romário, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho, que integram a galeria dos campeões do mundo. Já outros craques brasileiros reconhecidos nacional e internacionalmente não podem ostentar esta glória em seus currículos e até hoje se sentem frustrados por não terem conquistado o campeonato mundial de seleções. 

A lista de craques maltratados pelo destino em termos de Copa do Mundo tem início com Leônidas da Silva,o Diamante Negro, inventor da bicicleta,que jogou as copas de 1934 e 1938. Ele chegou a ser artilheiro em 38 e deslumbrou o mundo. E ainda foi prejudicado pela ausência de copas entre 38 e 50 quando estava no melhor da sua forma. 

A trágica derrota de 50 deixou alguns dos maiores jogadores da história do Brasil sem o título e carregando o peso do fracasso nas costas pelo resto das suas vidas. Zizinho, Danilo, Jair e Ademir entraram como heróis naquele 16 de julho e saíram como vilões após a surpreendente derrota para o Uruguai. 

A geração de 82, dirigida pelo mestre Telê Santana e repleta de craques, também não conseguiu realizar o sonho de ser campeã do mundo. Jogadores como Zico, Falcão, Sócrates, Júnior e Leandro mereciam melhor sorte no Mundial da Espanha, mas pararam na Itália de Paolo Rossi nas quartas-de-final. Agora será a vez de outros craques tentaram conquistar um título mundial, garantindo desde já que jamais integrarão esse seleto grupo, de craques sem Copas. Lionel Messi, Neymar e Cristiano Ronaldo, por exemplo, ainda podem mudar suas histórias. Será na Rússia?   

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top