Assine o fluminense

Para se manter no topo do Brasileiro

Em busca da segunda vitória seguida do Brasileirão, o Vasco visita a Chapecoense, neste domingo (22), às 16h, no Sul

O goleiro Martín Silva é garantia de segurança no gol vascaíno neste domingo (22)

Foto: Divulgação/Carlos Gregório Jr/Vasco

O time da virada quer manter o embalo da estreia vitoriosa do Brasileiro contra o Atlético Mineiro e pretende ir para cima da Chapecoense, neste domingo, às 16h, na Arena Condá em Chapecó.

O Vasco enfrentou o racing pela Libertadores nesta semana e terá o desafio de superar o desgaste físico nesta semana. Por isso, o técnico Zé Ricardo pode poupar parte do time principal. O que não mudará será a postura da equipe de lutar até o final das partidas como ocorreu nas últimas vitórias da equipe, diante do Fluminense, na semifinal do Carioca, Botafogo, no primeiro jogo da final e contra o Galo na semana passada quando os gols saíram aos 40 e 53 minutos do segundo tempo.

Acreditar até o fim tem sido uma marca do Vasco da Gama. Em 2018, para se ter uma ideia, o Almirante já reverteu cinco resultados adversos nos minutos finais. Para o prata da casa Henrique, as viradas conquistadas pelo time vascaíno não são obra do acaso e mostram o comprometimento do grupo com o trabalho desenvolvido por Zé Ricardo.

“Nosso lema é acreditar até o final. E sempre lembramos dele no vestiário antes de todas as partidas. Dedicação e entrega são coisas que nunca vão faltar, até porque isso faz parte do DNA da nossa equipe. O Vasco é o time da virada, como bem fala a música, mas é bom deixar claro que essas vitórias não estão vindo por acaso ou por sorte. É fruto de dedicação, trabalho e competência. Vamos seguir com esse foco para atingirmos os objetivos”, contou. 

Já para a Chape, a Arena Condá servirá como um fator importante para o confronto diante do Cruz-Maltino;Desde 2014, quando disputou pela primeira vez a competição por pontos corridos, até 2017 a Chape tem 54% de aproveitamento dentro de casa.

Nas quatro edições do Brasileirão a Chapecoense somou 196 pontos. Destes, 123, que corresponde a 62,7%, foram conquistados na Arena Condá.

Em 2017, ao chegar em Chapecó, Gilson Kleina revelou a necessidade de retomar a força dentro de casa. E deu certo. Em seu comando foram 16 jogos como mandante, sendo 13 vitórias, um empate e apenas duas derrotas. Aproveitamento de 83,3%.

Para manter o retrospecto o grito do público presente na Arena Condá será fundamental e, de encontro a isso, a Chape poderá contar com uma torcida especial: cerca de 1500 crianças que irão ocupar a ala sul do estádio. A iniciativa partiu do Departamento de Marketing do Verdão - em parceria com os consulados do clube - e teve a sua primeira edição em 2017. 

Dentro de campo, o técnico Gilson Kleina pretende mudar o time em relação ao jogo contra o Atlético-PR, em que a equipe catarinense foi goleada por 5 a 1.

“Estamos tristes com o resultado. Ninguém gosta de perder e muito menos como perdemos, porém estamos mordidos e vamos trabalhar essa semana para fazer um bom jogo contra o Vasco e dar a resposta dentro de campo”, declarou o atacante Vinícius. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top