Assine o fluminense

Treinador croata diz que Modric é o ‘o cara’ da Copa

Pelo lado francês, Deschamps cita aprendizado. Juiz da final será argentino

Meio campo croata tem mostrado ser decisivo quando a equipe mais precisa

Foto: Divulgação/HNS

A Croácia fez história na ultima quarta-feira (11), e garantiu uma vaga na final de uma Copa do Mundo pela primeira vez. A vitória na semifinal, porém, mais uma vez se deu de forma sofrida. Contra a Inglaterra, a equipe comandada por Dario Salic precisou novamente da prorrogação para avançar no Mundial da Rússia, assim como aconteceu nas oitavas de final, contra a Dinamarca, e nas quartas, contra a seleção anfitriã. Felicidade à parte, o técnico reconheceu o grande desgaste físico de seus jogadores e admitiu que precisará recuperar as energias de seu plantel para a decisão de domingo, contra a França, em Moscou.

“Isso é muito difícil (desgaste). Mas me parece que quanto mais difícil as circunstâncias, melhor nós jogamos futebol. Claro que a França tem um dia a mais, mas nós vamos descansar e nos recuperar a tempo. Não há desculpas, isso é uma final de Copa do Mundo. Temos que dar tudo, estar prontos, estar preparados. É a chance de uma vida. Tem sido difícil para nós, mas vamos achar a força e a motivação”, afirmou, em coletiva de imprensa concedida ontem.

Dalic, inclusive, deu folga aos atletas nesta quinta. Como o próprio comandante aponta, se contados os minutos jogados nas três prorrogações que a seleção croata jogou neste mata-mata, será a única a jogar oito jogos nesta Copa do Mundo. Diante disso, o treinador faz questão de elogiar o comprometimento e a entrega dos jogadores, que não desistiram da partida em nenhum momento e, mesmo desgastados, não queriam sair de campo diante da Inglaterra. Para ele, a experiência também foi um fator essencial para que a virada acontecesse na prorrogação.

“Ontem encontramos um time inglês muito rápido e jovem, mas nossos jogadores usaram a experiência. Temos jogadores que jogaram muitas finais de Liga dos Campeões, de campeonatos em seus países. Talvez jogadores jovens tenham mais ambição e sejam mais rápidos. Mas acho que essas coisas não fazem diferença neste final. Eu espero que eles reajam bem a certos momentos do jogo, mas não estou certo de que isso vai ser decisivo”, apontou.

Depois do técnico Didier Deschamps revelar que não digeriu ainda a derrota francesa na final da Eurocopa de 2016 para Portugal, o vice-campeonato foi pauta também para Pogba. Prestes a jogar a final da Copa do Mundo contra a estreante Croácia, o camisa 6 descarta qualquer favoritismo para evitar o mesmo clima que rondou a seleção antes da derrota para a equipe de Cristiano Ronaldo.

A França havia chegado na final após eliminar a atual campeã do Mundo, Alemanha.

Juiz – Ontem a Fifa divulgou os árbitros e assistentes escalados para a final da Copa do Mundo, entre França e Croácia, e para a disputa do terceiro lugar, entre Bélgica e Inglaterra. Nestor Pitana, da Argentina, será o árbitro da final, enquanto Alireza Faghani, do Irã, apitará a disputa pelo terceiro lugar.

 

 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top