Assine o fluminense

Viradouro e Padre Miguel na disputa


Luxo e criatividade marcam as duas escolas. Cubango pode surpreender

Comissão de frente da Viradouro colocou em prática uma inusitada invenção: a máquina da juventude, transformando adultos em crianças novamente

Evelen Gouvêa

A disputa pela taça de campeã da Série A do carnaval carioca se encerra nesta quarta-feira (14), quando o resultado será conhecido. A apuração acontece na Praça da Apoteose, na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro, logo após a leitura das notas do Grupo Especial, marcada para as 15h30. As escolas de Niterói se destacaram na Avenida, e a Unidos do Viradouro aparece como uma das favoritas. 

O enredo “Vira a cabeça, pira o coração. Loucos gênios da criação” revelou uma Viradouro luxuosa e pronta para subir no pódio. Com um desfile característico de Grupo Especial, a vermelho e branca se destacou na madrugada de sábado. As paradinhas da bateria de Mestre Maurão arrepiaram o público. Os ritmistas desfilaram com uma bela fantasia de Santos Dumont. O carro abre-alas impressionou por sua grandiosidade. Artistas circenses fizeram um show à parte nas engrenagens dessa fábrica da loucura que era a alegoria. 

Samba no pé, sorrisos e, principalmente, samba na ponta da língua foram quesitos de sobra durante a passagem da agremiação pela Passarela do Samba. 

Outra escola que está na corrida pelo título com a Viradouro é a Unidos de Padre Miguel, última a desfilar no sábado. Carros alegóricos grandes marcaram o desenvolvimento do enredo “O eldorado submerso: delírio Tupi-Parintintin”, que viajou pelos encantos da Amazônia. Mesmo sendo a última a desfilar, trouxe uma apresentação animada e muito colorida.

Cubango pode surpreender

Evelen Gouvêa

Quem pode surpreender é a Acadêmicos do Cubango, que chegou forte na Avenida. As fantasias e alegorias conseguiram reproduzir com maestria o que era a obra de Arthur Bispo do Rosário, grande homenageado do enredo “O Rei que bordou o mundo”, respeitando a estética do artista. O destaque da verde e branca de Niterói foi a bateria, comandada pelo Mestre Demétrius Luiz, considerada uma das melhores de toda a Série A.

Alguns problemas podem, no entanto, atrapalhar a chegada ao pódio. No início do desfile, dois carros tiveram dificuldades para entrar na pista. Já na dispersão, uma alegoria quebrou, sendo necessário desmontar parte do veículo para a sua retirada com um caminhão-guincho, o que atrasou a entrada da Inocentes de Belford Roxo em cerca de 15 minutos. 

A Unidos do Porto da Pedra surpreendeu e foi o grande destaque da primeira noite de desfiles, na sexta-feira. A escola de São Gonçalo voltou à era de ouro do rádio, coroando as 10 rainhas da música. A comissão de frente estendeu um tapete vermelho em plena Sapucaí para a passagem das divas, reproduzindo um programa de auditório de rádio, como era antigamente. 

A Acadêmicos do Sossego passeou pelos rituais e crenças, desde a antiguidade. A azul e branca luta para permanecer na Série A, assim como no ano passado. A comissão de frente trouxe ritos primitivos, com direito a fogo, impressionando o público. A agremiação do Largo da Batalha desfilou com apenas três carros alegóricos, alguns com problemas no acabamento. As fantasias vieram simples, devido à falta de verbas que assola a Sossego. Todo o brilho da noite foi para os componentes, que cantaram com garra e demonstraram a vontade de pisar, mais uma vez, na Marquês de Sapucaí em 2019.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top