Assine o fluminense

Após arrastões, bares de Icaraí contratam ronda motorizada

Comércio diz que terá que mandar funcionários embora para pagar por uma empresa que fará a ronda no local

Viaturas de empresa privada já estão fazendo ronda motorizada na região da Lopes Trovão com Geraldo Martins

Foto: Marcelo Feitosa

Após sofreram arrastões por dias seguidos, proprietários de bares e restaurantes de Icaraí se uniram para contratar um empresa de prestação de serviço de ronda motorizada. Desde a noite de quinta-feira (19), seis profissionais particulares em dois veículos com giroscópio circulam pelas ruas Lopes Trovão e Geraldo Martins para patrulhar a região. Com a medida, os comerciantes esperam inibir a ação dos criminosos e trazer de volta os clientes, já que, depois que teve início a onda de crimes, o movimento caiu 60%.

Mas para garantir a ronda na região, cada comerciante terá que desembolsar em torno de R$ 2 mil por mês. Como não pretendem repassar os custos para os clientes, eles já avisaram que terão que demitir funcionários para arcar com a nova despesa. A prestação de serviço de ronda motorizada na região será realizada das 20h até o fechamento dos estabelecimentos.

Segundo a proprietária de um dos bares, a gota d’água foi o arrastão que aconteceu em dois estabelecimentos da Rua Lopes Trovão, na noite do último domingo, que deixou em pânico clientes e funcionários. Um dia após o crime, uma viatura da Polícia Militar realizou patrulhamento na área, mas depois não foi mais vista e, nos dias seguintes, os comércios voltaram a ser cenários de novos assaltos.

“Entendemos que a contratação foi necessária porque a Polícia Militar não possui efetivo para patrulhar a área durante o expediente noturno dos bares. Além disso, instalamos um forte sistema de câmeras de monitoramento em vão, porque os criminosos não se sentem intimidados. Infelizmente, teremos que reduzir os custos para arcar com esse serviço, que custa em média R$ 2 mil para cada estabelecimento”, esclarece.

Os empresários afirmam que já contavam com seguranças à paisana circulando pelo quarteirão. Porém, desde que os criminosos passaram a cometer os assaltos utilizando fuzil, os seguranças se sentiram acuados. Como alternativa, foram alocadas duas viaturas particulares com sirenes nas esquinas das duas vias. 

A ideia é intimidar a investida dos bandos e oferecer tranquilidade aos clientes que desejam segurança para desfrutar os momentos de lazer.

“Essa foi a saída que encontramos para resgatar a vida de boêmia de Niterói. Os comércios sofreram uma queda de 60% na movimentação e muitos estabelecimentos estão fechando mais cedo, por medo de novos assaltos. Estamos reféns da violência e nossos funcionários passaram a ser ameaçados também. Esses comércios sustentam muitas famílias, não podemos deixar o crime destruir nosso trabalho. Esperamos que até o início de maio os clientes voltem a bater ponto nos bares e sintam-se seguros com a presença das viaturas privadas”, declara o proprietário de um outro restaurante.

Procurada, a Polícia Militar não se pronunciou até o fechamento desta edição. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Humberto Junior
Eu gostaria de entender a cabeça da cúpula da segurança pública. Sem explicação, na minha opinião, é uma mistura de omissão e incompetência.
Vote up!
Vote down!

: 0

You voted ‘up’

eduardo augusto santos da silva
Uma vergonha o que está acontecendo....cadê a Polícia? O Exército? Quatro bostas estão tocando o terror na cidade e ninguém pega esses infelizes? Todo dia tem assalto...tinha q demitir todo mundo...comandante de batalhão....delegados....todos incompetentes...ou omissos
Vote up!
Vote down!

: 0

You voted ‘up’

Veja também

Scroll To Top