Assine o fluminense

DH não descarta crime político em Maricá

Robson Giorno pretendia se candidatar à prefeitura

A Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói não descarta a hipótese de crime político na morte do jornalista e empresário Robson Giorno, assassinado na noite do último sábado (25), em Maricá. 

Para a delegada Bárbara Lomba, Giorno foi atraído para fora de casa numa emboscada e acabou levando três tiros à queima-roupa. De acordo com a titular da especializada, o caso envolvendo a morte do jornalista ainda é muito complexo. Imagens do circuito de segurança estão sendo analisadas. 

Ontem à tarde, o corpo de Giorno foi sepultado no cemitério do Caju, na Zona Portuária do Rio. Giorno era dono de um site de notícias em Maricá e conhecido por ser ferrenho opositor da atual administração municipal. Em ocasiões o jornalista denunciou que sofria ameaças de morte. 

Recentemente o empresário teria manifestado o desejo de disputar a prefeitura de Maricá no próximo ano. Giorno se filiou ao Avante e se tornou presidente municipal do partido. 

Em nota, a direção estadual do partido lamentou a morte de Giorno. 

“A Direção Estadual do Avante RJ, assim como a Direção Municipal de Maricá lamentam profundamente o assassinato do jornalista Robson Giorno, nosso filiado, manifestando suas condolências à família enlutada. O partido espera empenho das autoridades policiais para desvendar a autoria e rápidas investigações”.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top