Assine o fluminense

Diretor do Horto do Barreto é assassinado a tiros no parque

Houve pânico e correria entre os idosos que faziam aula de ginástica no espaço, na hora do crime

Crime ocorreu em plena luz do dia, numa das principais áreas de lazer da Zona Norte. DH esteve no local em busca de pistas

Foto: Douglas Macedo

O diretor-geral do Horto do Barreto, na Zona Norte de Niterói, foi assassinado na manhã desta quinta-feira (7), por volta das 9h, logo após chegar no parque municipal. Carlos Cleyton Vianna, de 41 anos, conhecido como Carlão, foi morto com vários tiros por criminosos que estavam no parque em um carro preto. De acordo com o delegado titular da Divisão de Homicídios (DH) de Niterói, Fábio Barucke, a polícia trabalha com a hipótese de execução. 

“Não levaram nada da vítima, o carro e os pertences pessoais não foram levados. Foram ao todo 14 disparos, ainda não sabemos quantos atingiram ele. Sabemos que foi uma pistola Glock de calibre 9 milímetros e com a indicação de apenas um só atirador”, declarou o delegado. 

Barucke contou que Carlão chegou com seu Kia Sportage prata, cumprimentou os funcionários e seguiu para o estacionamento.

“Sabemos que veio um carro atrás dele e parou ao lado. Quando ele desceu, um homem armado saiu do carona e efetuou os disparos contra ele, entrou no carro e foi embora. Temos bastantes imagens para auxiliar nas investigações que podem nos ajudar a prender os autores”, disse Barucke. 

Ainda de acordo com o delegado, a família da vítima relatou que ele não recebia nenhum tipo de ameaça. 

“Vamos apurar com mais cautela se isso procede, no entanto, como foi uma execução, provavelmente ele deveria ter algum desafeto ou alguma motivação. Ao tomar o primeiro tiro, a vítima caiu e o atirador também disparou contra a cabeça dele, fatos que são característicos de execução mesmo”, afirmou. 

Segundo Barucke, na hora do crime havia pessoas no local e que serão chamadas para prestar depoimento. Uma mulher que estava no local contou que a ação foi muito rápida. 

“Ouvi os disparos e na hora todo mundo correu para se esconder, mas vimos que o carro saiu. Foi tudo muito rápido. Só vi que a pessoa que disparou estava com uma camisa azul e um boné”, contou. 

De acordo com Regina Bittencourt, presidente do Projeto Gugu, que mantém um projeto no Horto, uma aula com idosos estava acontecendo no momento do crime.

“A professora me ligou bastante abalada me contando o que tinha acontecido. Ela relatou que os alunos ficaram bastante nervosos quando ouviram os tiros, mas ainda não sabiam que o episódio era no interior do parque, pois ouvir barulho de tiros lá é algo comum. A professora me contou que algumas senhoras, alunas do projeto, choraram muito. Não sabemos o que aconteceu, só que foi um episódio bem assustador para quem estava lá”, declarou. 

O enterro está marcado para hoje, às 11h, no Cemitério do Maruí.  

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Elson Luiz
Muito estranho esse crime, mais uma vida que se perde prá criminalidade e violência!
Vote up!
Vote down!

: 0

You voted ‘up’

Scroll To Top