Você faz a notícia

Idoso morre ao ser atacado por dois Pit Bulls em SG

Animais fugiram de uma oficina mecânica e mataram o aposentado no Mutuá

Idoso seguia para entregar exames médicos quando foi atacado pelos animais.

Foto: Douglas Macedo

Um idoso de 84 anos foi morto na manhã deste sábado (7) após sofrer um ataque de dois cães da raça pit bull, no bairro Mutuá, em São Gonçalo. O fato aconteceu por volta das 6h, quando o funcionário público aposentado Ary de Oliveira Mendes ia entregar um exame médico no posto de saúde. De acordo com o filho da vítima, Sérgio Machado Mendes, de 59 anos, ele era diabético e sempre fazia exames. 

Segundo a polícia, o ataque aconteceu na Avenida Dezoito do Forte, próximo à Delegacia do Mutuá (72ª DP) e a poucos metros de onde a vítima morava, na Rua Anair Arantes. Os cães faziam guarda em uma oficina mecânica na rua dos fundos (Rua Maria Nazaret) e, quando um dos funcionários do local chegou para trabalhar, às 5h30, dois dos quatro cachorros que ficam no estabelecimento, com ligação para a Av. Dezoito do Forte por uma vila, escaparam e acabaram atacando o aposentado. 

“Meu pai era uma pessoa independente, fazia tudo sozinho. A gente fica sem chão numa hora dessas. Ainda não pensei nas medidas judiciais, preciso enterrar meu pai agora”, lamentou um dos filhos de Ary, que deixa três filhos, nove netos e dois bisnetos.

De acordo com testemunhas, antes de atacar o idoso, os cães machucaram um cachorro de uma imobiliária quase em frente ao local de onde fugiram. 

“Cheguei para trabalhar às 7h e vi muito sangue no chão e na grade. Eles atacaram nosso cachorro mesmo pela grade”, disse Pedro Eufrazo de Oliveira, de 71 anos, que trabalha na manutenção da imobiliária. 

No chão, próximo ao corpo estirado e coberto com uma lona preta (cuja área estava isolada por policiais militares), era possível ver as marcas das patas dos cães feitas com o sangue da vítima. Os cães morderam o rosto, o pescoço e um dos braços do idoso. Sua bochecha foi arrancada e o aposentado ficou desfigurado. O dono de uma banca de legumes que passava pelo local no momento do ataque tentou proteger o idoso dando pauladas nos animais, mas já era tarde. 

Os cães seriam de Wellington Freitas Nunes, mas sua mãe, que preferiu não se identificar para a equipe de O FLUMINENSE, assumiu a responsabilidade pelos animais em depoimento na delegacia. Para a proprietária deles, o ocorrido foi uma fatalidade.

“Sou a dona deles. Já tive dois infartos na vida e estou passando muito mal desde cedo, quando isso tudo aconteceu. Nunca desejaria uma coisa dessas”, afirmou a senhora.
Ainda de acordo com depoimentos na delegacia, depois de saber da fuga dos animais, ela e seu filho saíram de carro para recuperá-los e conseguiram.
 
O neto do sr. Ary, Cleber Mendes, universitário de 27 anos, que morava com o avô há cerca de três anos, estava no local inconsolado.

“Não acredito até agora no que aconteceu, nem na irresponsabilidade dos donos dos cachorros”, disse triste. 

Segundo os investigadores de plantão na Delegacia do Mutuá, o delegado responsável não entendeu pelo flagrante e está aguardando as investigações e o restante dos depoimentos para tomar as providências cabíveis. Para eles, trata-se de um caso isolado. 

A perícia foi feita por volta das 9h30 e o caso foi registrado na 72º DP (Mutuá). O corpo foi removido do local às 11h30 deste sábado e levado ao Instituto Médico Legal (IML) do Barreto, em Niterói. O caso vai ser investigado pela Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DH), no Centro de Niterói. 

Até o meio-dia, a Rua Dezoito do Forte ficou com retenções no trânsito, devido aos curiosos que diminuíam a velocidade para ver o local do ataque. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top