Assine o fluminense

Organização criminosa atuava dentro da PF

Ministério Público Federal e Polícia Federal deflagram operação dentro da Superintendência do Rio

A Operação Tergiversação, deflagrada na manhã desta terça-feira (11) pelo Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF), desarticulou uma organização que mantinha um esquema de cobrança de propina de investigados em inquéritos policiais. Os crimes eram coordenados de dentro da própria Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro.

De acordo com o MPF, a operação envolveu seis mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e 25 mandados de busca e apreensão. O esquema tinha a participação de policiais federais e empresários.

As investigações apontaram que propinas foram pagas por alvos das operações Titanium e Viupostalis/Recomeço, dedicadas respectivamente a elucidar fraudes no plano de saúde e em um fundo de pensão dos funcionários dos Correios. O delegado responsável por ambas as operações e o escrivão que trabalhava com ele solicitaram e receberam valores vultuosos para evitar a exposição de investigados na mídia e para favorecê-los nas apurações.

Além disso, houve atuação de operadores que intermediavam o contato com os investigados e faziam o pedido do pagamento das vantagens indevidas, além de viabilizar a transação e a lavagem do dinheiro. "Os pagamentos, que variaram, segundo o apurado até o momento, de R$ 400 mil a R$ 1,5 milhão, eram feitos na maior parte das vezes em espécie, mas em alguns casos foram repassados por meio de transferências a empresas ligadas aos operadores", disse, em nota, o MPF.

Foi identificada ainda a participação de empresários que movimentaram recursos em favor do grupo e atuaram como “laranjas” de alguns investigados. A investigação envolveu quebras de sigilo bancário, fiscal, telemático e telefônico. De acordo com nota divulgada pela PF, também foram celebrados acordos de delação premiada com alguns dos empresários que comprovaram os atos ilícitos. "Os elementos obtidos durante as investigações indicam a prática dos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro", acrescenta a PF.

Fonte: Agência Brasil

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top