Assine o fluminense

Polícia está em busca de assassinos de PMs

Soldado Mariotti foi o primeiro agente da polícia morto este ano

A Polícia Civil já identificou dois suspeitos de envolvimento na morte do PM Daniel Henrique Mariotti, sábado (5), na Linha Amarela, na Zona Norte do Rio. Willian Souza Guedes, de 29 anos, conhecido como Chacota, e Diego Silva de Jesus Carlos, de 27, apelidado de Gari, tiveram prisão temporária de três dias decretada pela 2ª Vara Criminal. O soldado Mariotti foi o primeiro agente da polícia morto este ano.

O Disque-Denúncia, projeto não governamental que presta serviço para a Secretaria de Segurança, oferece recompensa de R$ 5 mil para quem der informações que possam levar à prisão dos dois.

Segundo a polícia, os suspeitos teriam envolvimento com o comércio ilegal de entorpecentes na favela de Manguinhos, na Zona Norte. Contra um deles, Willian Souza, há oito mandados de prisão pelos crimes de tráfico de drogas, associação para a produção e tráfico e condutas afins.

Crime – O PM, de 30 anos, foi baleado na cabeça na saída 6 da Linha Amarela, na altura da Avenida dos Democráticos, em Bonsucesso. A vítima foi atingida ao tentar fugir de um arrastão. O militar, lotado no 22º BPM (Maré), foi levado em estado grave para o Hospital Federal de Bonsucesso, passou por cirurgia, mas não resistiu.

Menos de 48 horas após a morte, o estado registrou a segunda morte de um PM por criminosos este ano. O soldado Miquéias Marinho Ribeiro, de 31, foi assassinado a tiros na manhã de segunda-feira (7), perto de sua casa em Engenho Pedreira, Japeri, na Baixada Fluminense.

O soldado saía para o trabalho de carro, quando homens em um veículo passaram atirando várias vezes contra a vítima. Também estão sendo oferecidos R$ 5 mil por informações que levem aos assassinos.
 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top