NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Preso um dos chefes da milícia em Itaboraí

Polícia Civil prende integrantes da milícia em Itaboraí

Foto: Evelen Gouvea

A Polícia Civil prendeu, na manhã deste sábado (6), um dos chefes do grupo paramilitar que atua em vários bairros de Itaboraí, na Região Metropolitana. De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói e do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, mais de 50 mortes no município estão atribuídas a ele.  

Osmar da Silva Gomes, conhecido como Thirso, foi localizado em Cachoeiras de Macacu, por agentes da DH. Juntamente com ele os policiais prenderam Carlos Antônio Pinheiro, o Gugu. Para a polícia, Thirso e Gugu seriam os responsáveis por desaparecer com os corpos dos rivais mortos pela milícia, que tem como principal líder o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica. 

Também neste sábado, o Portal dos Procurados, do Disque-Denúncia, divulgou um cartaz com a foto do ex-PM Alexandre Louback Geminiani, conhecido como Playboy. Ele é foragido da Justiça e considerado um dos principais integrantes da milícia que atua em Itaboraí.  

Alexandre teria pulado do 4º andar de um prédio onde mora, no Centro de Itaboraí, escapar da Polícia Civil, durante a Operação Salvator, na última quinta-feira (4). A recompensa para quem der informações que levem à prisão dele é de R$ 2 mil.  

Investigações  

Desde o início do ano passado que a Polícia Civil, com o apoio do Gaego, vem investigando um grupo paramilitar que atua no município de Itaboraí. As investigações mostram que, ao menos, cinquenta pessoas morreram ou desapareceram com a chegada dos milicianos na cidade, que passaram a controlar diversas comunidades, principalmente as que estão localizadas na região rural da cidade.  

As investigações apontam que os milicianos teriam entrado em Itaboraí visando um faturamento maior por conta da retomada das obras, no ano passado, do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Além disso, eles passaram a explorar comércios e escolas da região. O bando, segundo investigações, faturava cerca de R$ 500 mil por mês. 

Na última quinta-feira, a polícia realizou uma megaoperação que resultou na prisão de quase cinquenta pessoas. Entre os presos estava o Policial Militar Fábio Nascimento de Souza, conhecido como China. Ele é apontado como braço direito de Orlando Curicica. Fábio, que trabalhava na Unidade de Polícia Pacificadora do Borel, na Tijuca, Zona Norte do Rio, foi encontrado em um condomínio de luxo em Rio Bonito. Também foram presos uma advogada e um homem que se passava por policial civil. O casal foi encontrado em Icaraí, Niterói.  

Um dia após a operação, sexta-feira (5), a polícia encontrou um cemitério clandestino em Itaboraí. Doze corpos e restos mortais foram encontrados no local. Para encontrar os corpos foi preciso o auxílio de cães farejadores e de uma retroescavadeira. 



Scroll To Top