Assine o fluminense

Trio do "Boa Noite Cinderela" é preso em Icaraí

Acusados ainda tentaram subornar a polícia

Trio tentou subornar policiais militares com R$ 50 mil para não serem presos durante a ação

Foto: Lucas Benevides

Um trio que aplicava o famoso golpe conhecido como “Boa Noite Cinderela” foi preso pela Polícia Militar em Icaraí, na Zona Sul de Niterói, no final da noite de quinta-feira (22). De acordo com a polícia, os criminosos agiam em bairros nobres de Niterói e também na Zona Sul do Rio de Janeiro. A polícia acredita que os criminosos podem ter feito mais de 100 vítimas.

Pelo menos cinco delas já reconheceram os bandidos. Ainda segundo a polícia, contra um dos acusados havia 24 mandados de prisão por crime de roubo. Na tentativa de escapar da prisão, os acusados ainda tentaram subornar os policiais oferecendo uma quantia de R$ 50 mil. Eles foram presos em flagrante por corrupção ativa. O caso foi registrado na 76ª DP (Centro).

Policiais da 77ª DP (Icaraí), também investigavam o trio. De acordo com a polícia, no último dia dois desse mês, um oficial de justiça e seu amigo foram vítimas dos golpistas. As vítimas conheceram os criminosos em um bar na rua Dr. Leandro Mota, em Icaraí. 

Segundo a polícia, as mulheres colocaram os alucinógenos na bebida das vítimas, enquanto o homem que se passava por gay os distraía. Os policiais contaram que as imagens do circuito de monitoramento do prédio do oficial de justiça mostram as vítimas chegando na companhia das mulheres, completamente desorientados.

Chegando no apartamento, o trio pegou vários bens das vítimas, incluindo a arma do oficial de justiça e seu veículo. De acordo com a polícia, as vítimas só acordaram três dias depois. 

Depois de cair no golpe, o oficial de justiça passou a procurar pelos autores em diversos bares de Icaraí. Na noite de quinta-feira, ele obteve a informação de que o trio estava em um bar na Rua Gavião Peixoto. A vítima acionou a Polícia Militar, que foi até o local e surpreendeu os três. 

De acordo com os investigadores, se o alvo fosse homossexual, o criminoso se passava por gay para aplicar o golpe. Se a vítima fosse heterossexual, as mulheres entravam na ação e ele apenas se fazia passar por um amigo para distrair as vítimas. 

Segundo a polícia, eles foram identificados como Luiz Felipe da Silva Pinto Azeredo, de 28 anos, e as mulheres, Verônica Teixeira Gomes, de 20 anos, e Vanessa Amélia França, de 23 anos. Eles faziam uma análise das vítimas antes de abordá-las. 

Em depoimento, o acusado disse que escondeu a arma de uma das vítimas nas pedras próximo ao calçadão de Gragoatá. A PM foi até ao local, mas nada foi encontrado. 
 A polícia pede para que se alguém tenha sido vítima do trio, que compareça até a 76ª DP (Centro).

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top