NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Alerj participa de campanha de coleta de lixo eletrônico

Pela primeira vez, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), por meio do Fórum Permanente de Desenvolvimento Estratégico do estado, está participando da campanha de recolhimento gratuito de lixo eletrônico, lançada pelo Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro (TI Rio).

No complexo de prédios que compõem a Alerj (Palácio Tiradentes, Palácio 23 de Julho e Centro Administrativo Engº Leonel de Moura Brizola) foram colocadas caixas coletoras nos andares térreos para receber o material que será encaminhado para reciclagem correta. A campanha na Alerj vai até o próximo dia 3 de julho, quando funcionários do TI Rio irão recolher o lixo eletrônico coletado, informou nesta segunda-feira (10) à Agência Brasil a secretária-geral do Fórum, Geiza Rocha.

O Fórum é composto por 50 instituições e a ideia é trabalhar estabelecendo parcerias com todas elas, disse Geiza. O foco é "atuar em questões muito importantes para a sociedade, como a sustentabilidade, e fortalecer a agenda ambiental da administração pública", completou. A campanha é realizada pelo TI Rio anualmente, desde 2012, e já recolheu mais de 19 toneladas de materiais como computadores, impressoras, máquinas fotográficas, celulares e suas peças. Os produtos passam por triagem e são encaminhados para destinação correta e sustentável.

Responsabilidade

O presidente do TI Rio, Benito Paret, disse que a campanha a cada ano cresce mais. "Muitas empresas percebem que é responsabilidade delas darem um fim àquilo que, hoje em dia, é um excedente porque, com essa rotação da tecnologia em que a obsolescência é constante, sobram muitos equipamentos que você não tem o que fazer com eles. Por isso, a ideia de manter o lixo eletrônico recolhido e dar uma finalidade para ele, para não poluir o ambiente, tem sido uma campanha que tem crescido muito".

O público que frequenta a Alerj também pode participar da campanha, depositando nas urnas o material eletrônico. "É uma forma de institucionalizar e dar mais valor a esse trabalho. A Alerj é um parceiro importante para incrementar o projeto", destacou Paret.

O trabalho de recolhimento é realizado em parceria com a empresa Futura Soluções Ambientais, que faz a triagem e destina os equipamentos sem funcionamento para desmontagem, onde suas peças são separadas. Os produtos que estão funcionando são doados para comunidades, organizações não governamentais (ONGs), creches, escolas, ou são direcionados para a venda, com o objetivo de arrecadar fundos para orfanatos.

Incremento

Paret esclareceu que a parceria com a Alerj não é exclusiva. O sindicato está aberto para levar a campanha para outras empresas e instituições. A expectativa do presidente do TI Rio é que este ano a campanha vai ampliar a quantidade de lixo recolhido. "A gente imagina que terá duas ou três toneladas a mais, dentro desse processo, o que ajuda bastante o meio ambiente".

O presidente do TI Rio acrescentou que além da redução de custos, a sustentabilidade oferece uma vantagem competitiva, na medida em que demonstra a responsabilidade empresarial em aspectos sociais e ambientais, com reforço da imagem da organização. As empresas participantes da campanha recebem o Certificado de Destinação, que comprova a atuação em prol do desenvolvimento sustentável.

Estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) mostra que o Brasil é o sétimo maior produtor de 'e-lixo' do mundo e o maior da América Latina. Entretanto, somente 2% dos resíduos são reciclados.

Material

O material que pode ser coletado inclui computadores e servidores completos; gabinetes/CPU completo; mouse; teclado; caixas de som; estabilizador; fontes adaptadoras; cabos diversos; 'drivers'; fonte de microcomputadores; impressoras; aparelho de DVD e vídeo; telefones; aparelhos de fax; centrais eletrônicas; 'notebooks'; placa mãe; placa de vídeo, rede, som; memória; processadores; HDs; celulares; máquinas fotográficas.

Não são aceitas pilhas, 'toners', lâmpadas e equipamentos de linha branca, como geladeiras, fogões, máquinas de lavar roupas, entre outros aparelhos. 


Agência Brasil 

Scroll To Top