NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Anúncio de medidas fica para domingo

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adiou para domingo (21), às 14h, a entrevista coletiva marcada para a tarde desta sexta-feira (19) para anunciar medidas de combate à disseminação de notícias falsas (fake news) nas redes sociais. A entrevista foi adiada por causa de  incompatibilidades nas agendas dos participantes.  

A coletiva foi anunciada na quinta-feira após o TSE receber cobranças sobre as medidas efetivas para impedir candidatos e partidos de compartilhar conteúdo falso durante a campanha eleitoral. 

Deverão participar da coletiva a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, os ministros Raul Jungmann, da Segurança Pública, e Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, e o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro.

Audiência – Um grupo de advogados e juristas pediu nesta sexta (19) uma audiência com a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, para cobrar medidas contra divulgação de notícias falsas nas redes sociais. 

O grupo é formado pelo advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, que atua para investigados na Operação Lava Jato, e o ex-advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence. O ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, também assina o documento. 

Em um documento enviado nesta sexta-feira à ministra, o grupo também pediu que as medidas solicitadas pela coligação do candidato à presidência da República Fernando Haddad (PT) contra a campanha de seu adversário Jair Bolsonaro (PSL) sejam autorizadas de forma urgente. 

Indiciada – Uma mulher foi indicada pela Polícia Federal no Rio Grande do Sul por disseminar notícias falsas em redes sociais. Em um vídeo, a moça afirma que urnas eletrônicas teriam sido fraudadas e enviadas a cidades do Nordeste. n

Scroll To Top