Assine o fluminense

Bolsonaro elogia trabalho de Moro

Presidente disse que a atuação de Sergio Moro como juiz não teve preço

Presidente disse que a atuação de Sergio Moro como juiz não teve preço

José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro elogiou nesta quinta-feira o trabalho do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante sua atuação como juiz da Operação Lava Jato. 

“O que ele fez não tem preço. Ele realmente botou para fora, mostrou as vísceras do poder, a promiscuidade do poder no tocante à corrupção”, disse Bolsonaro em conversa com jornalistas após cerimônia no Palácio do Planalto.

No último dia 9, o site de notícias The Intercept Brasil divulgou trechos de mensagens atribuídas a Moro e a membros da força-tarefa da Lava Jato, que apontam para uma “colaboração proibida” entre o então juiz federal responsável por julgar processos decorrentes da operação em Curitiba e os procuradores, a quem cabe acusar os suspeitos de integrar o esquema de corrupção. Para Bolsonaro, houve “uma invasão criminosa”.

“Ele [Moro] faz parte da história do Brasil. Vazou [a conversa]? Se vazar meu aqui, tem muita brincadeira que faço com colegas que vão me chamar de novo de tudo aquilo que me chamavam durante a campanha. Houve uma invasão criminosa, se é que o que está sendo vazado é verdadeiro ou não”, disse Bolsonaro. 

Questionado se considera normal conversa entre juiz e procurador, o presidente respondeu: “Normal é conversa com doleiro, com bandidos, com corruptos, isso é normal? Nós temos nos unidos do lado de cá. Ninguém forjou provas nessa questão da condenação do [ex-presidente] Lula”, ressaltou ele, ao falar sobre o processo julgado por Moro na primeira instância da Lava Jato, em Curitiba.

Presidente pede desculpas a deputada

Atendendo determinação judicial, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou ontem em sua conta no Twitter nota de retratação à deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). Em 2014, quando era deputado, Bolsonaro disse na Câmara que a deputada não merecia ser estuprada porque a considerava “muito feia”. Em 2015, ele foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal a pagar R$ 10 mil de indenização à colega de parlamento, mas recorreu da decisão ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi mantida nas duas cortes superiores.

Diz o texto publicado: “Em razão de determinação judicial, venho pedir publicamente desculpas pelas minhas falas passadas dirigidas a deputada federal Maria do Rosario Nunes. Naquele episódio, no calor do momento, em embate ideológico entre parlamentares, especificamente no que se refere à política de direitos humanos, relembrei fato ocorrido em 2003, em que,após ser injustamente ofendido pela congressista em questao, que me insultava, chamando-me de estuprador, retruquei afirmando que ela “não merecia ser estuprada”.

Aproveito o ensejo para manifestar o meu integral e irrestrito respeito às mulheres. Relembro que na ocasião inicial em que ocorreram os fatos ora tratados, eu havia acabado, justamente de, no plenário da Câmara dos Deputados, defender uma pena mais severa aos autores de estupro e crimes contra a dignidade sexual. Estava, portanto, exatamente defendendo as vítimas destas práticas repugnantes de estupros e demais crimes sexuais, tendo sido esta sempre uma luta constante nos meus anos de parlamentar”.

 
Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Rejane Monteiro Moreira
E todos os Brasileiros que são Cidadãos honestos também elogiamos o mistro Sergio Moro.
Vote up!
Vote down!

: 0

You voted ‘up’

Veja também

Scroll To Top