Assine o fluminense

Briga em audiência repercute na Alerj

Deputados do PSL foram denunciados por quebra de decoro parlamentar

Deputados participaram de uma audiência na Uerj, no Maracanã

Reprodução de vídeo

Integrantes e presidentes de comissões permanentes e especiais da Alerj, que promoveram, na última segunda-feira, uma audiência pública na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) para debater as cotas em unidades de ensino estaduais, enviaram nesta quarta-feira (12), à presidência da Casa Legislativa, uma nota de repúdio sobre o comportamento de deputados estaduais do PSL durante o encontro.

Em vídeo gravado na última segunda, que gerou grande repercussão nas redes sociais nos últimos dias, o deputado estadual Alexandre Knoploch (PSL) aparece em uma confusão, desferindo um soco contra um estudante, enquanto estava acompanhado de seu segurança, que ameaça tirar uma arma da cintura.

Na nota, assinada pelos deputados Flávio Serafini (Psol), Renata Souza (Psol), Waldeck Carneiro (PT), Dani Monteiro (Psol), Carlos Minc (PSB) e Mônica Francisco (Psol), os parlamentares afirmam que repudiam “veementemente os atos de violência e truculência cometidos pelos deputados Rodrigo Amorim e Alexandre Knoploch (ambos do PSL) durante a audiência pública para discutir a Política de Cotas nas universidades estaduais do Rio de Janeiro. [...] Desde o início, e até irem embora, os referidos deputados tiveram condutas provocativas e truculentas com vistas a interromper o debate e o exercício da atividade legislativa”. A nota também lamenta o episódio de violência ao final.

Protagonista no caso, o deputado Alexandre Knoploch (PSL), por sua vez, divulgou outro vídeo no qual também aparece sendo agredido e afirmou que apenas se defendeu.

“Desde o começo do evento, os alunos presentes hostilizaram e protestaram contra a presença dos deputados, tentando infringir o direito de fala dos mesmos e os atacando com agressões verbais. Ao final do evento, a situação se agravou e os deputados foram cercados pelos estudantes, que os agrediram, levando os mesmos a se defenderem”, disse trecho da nota emitida pela assessoria de Knoploch.

Ainda segundo Knoploch, assessoras de mandatos do PSL também foram agredidas e eles só conseguiram sair graças a atuação de seus seguranças.

O deputado Rodrigo Amorim (PSL) também encaminhou, nesta quarta, um ofício para a presidência da Alerj solicitando a anulação dos encaminhamentos da audiência pública. Ele argumenta que o encontro não teve o objetivo de ser uma audiência pública, mas sim uma “reunião político-ideológica”.

“Percebe-se, claramente, que a referida Audiência Pública não tinha o objetivo exposto! Tratava-se na verdade de uma reunião político-ideológica em que posições contrárias não eram bem-vindas, havendo inclusive a cassação e impedimento da palavra dos deputados em inúmeros momentos”, argumenta. Amorim também pediu a proibição de realização de audiências públicas em âmbito de universidades e unidades policiais.

Em nota, a Mesa Diretora da Alerj afirmou que “vai analisar o caso após receber notificações dos deputados sobre o ocorrido”.

Professores da Uerj repudiaram, em nota, a conduta violenta de deputados do PSL que participaram da audiência pública sobre cotas raciais, realizada por cinco comissões permanentes da Alerj no último dia 10, na capela ecumênica da universidade.

“Os deputados Rodrigo Amorim e Alexandre Knoploch e seus assessores não vieram à universidade para debater, mas para interditar e inviabilizar a Audiência Pública convocada por várias Comissões da ALERJ, como o atestam as seguintes atitudes: dar socos na mesa; constranger a represente da Reitoria, a Sub-reitora de Graduação da UERJ; referir-se a um estudante negro como “macaco”; fazer sinais de uso de armas para o público; e para coroar as provocações, mesmo sob a defesa de duas linhas de professores e estudantes que os defendiam do público indignado com o que viram e escutaram, dar um soco num rapaz e uma coronhada em outro, para o qual foi necessário chamar uma ambulância”, diz a nota.

Nota da bancada do Psol sobre os fatos na Uerj

Nós, integrantes e presidentes de Comissões permanentes e especiais da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e abaixo assinados, repudiamos veementemente os atos de violência e truculência cometidos pelos deputados Rodrigo Amorim e Alexandre Knoploch (ambos do PSL) durante a audiência pública para discutir a Política de Cotas nas universidades estaduais do Rio de Janeiro.

A audiência foi realizada na última segunda-feira, dia 10, na Capela Ecumênica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), com a participação das Comissões de Educação, Combate às Discriminações, Direitos Humanos, Ciência e Tecnologia e Comissão Especial de Juventude, além de movimentos sociais, representantes da Defensoria e Ministério Público e da reitoria da Uerj. Desde o início, e até irem embora, os referidos deputados tiveram condutas provocativas e truculentas com vistas a interromper o debate e o exercício da atividade legislativa. Reivindicaram primeiro o hino nacional, desconhecendo o rito para a execução do hino nas atividades da Alerj que não incluía uma atividade como que estava em curso.

Depois esbravejaram, batendo violentamente na mesa, reivindicando questão de ordem em diferentes momentos, desrespeitando a figura da presidência da audiência e interrompendo as falas das representantes do Ministério Público e Defensoria. Também houve inúmeras provocações à platéia, que foi chamada de "palhaços' e interrupção de falas. E no final, após ignorar orientação da segurança da UERJ, da mesa e inclusive de colega de partido, os deputados decidiram passar pelo meio da platéia, com gestos de provocação, que culminou na cena lamentável do Deputado Knoploch reagir com um soco no rosto de um estudante.

A partir daí, houve uma confusão entre os deputados, seus seguranças e os estudantes que ali estavam. A tensão foi ainda maior, pois os seguranças dos deputados do PSL estavam armados, um deles foi flagrado com a mão na arma que estava na cintura, na iminência de sacá-la em direção ao tumulto, mas se conteve quando percebeu que estava sendo gravado. O comportamento dos deputados não corresponde absolutamente à conduta de um parlamentar, que deve ter compromisso apenas com o bem estar do conjunto da sociedade do Rio de Janeiro. Por isso estamos encaminhando uma representação com o relato da conduta dos parlamentares, com vídeos em anexo, para a presidência da Alerj tomar as providências cabíveis.
 

Nota do PSL sobre a audiência pública na UERJ

Como membro das comissões de Ciência e Tecnologia e de Educação, que naquele momento debatiam o tema “Cotas Raciais”, o parlamentar declara que tem o direito, dever e o compromisso de participar dos diálogos propostos nas audiências;

Na teoria, a audiência pública tratava-se de um debate democrático entre parlamentares de diferentes partidos políticos  e estudantes;

A escolha do local foi realizada por deputados de partidos de esquerda que, em nenhum momento, tiveram a cautela necessária para garantir a segurança dos parlamentares de direita.

Conforme comprovado por vídeo, os parlamentares de esquerda, além de não garantirem o reforço na segurança, incitaram as declarações de ódio com os termos racista e fascista, declarados pelos estudantes presentes. Tal atitude culminou no aumento dos conflitos.   

Desde o começo do evento, os alunos presentes  hostilizaram e protestaram contra a presença dos deputados, tentando infringir o direito de fala dos mesmos e os atacando com agressões verbais.

Ao final do evento, a situação se agravou e os deputados foram cercados pelos estudantes, que os agrediram, levando os mesmos a se defenderem.

A assessora do deputado Alexandre Knoploch e a assessora do deputado Rodrigo Amorim foram atacadas com puxões de cabelo, socos e tapas pelos estudantes.

Os parlamentares só conseguiram ir embora com o auxilio dos seguranças e policiais militares que estavam na Uerj.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top