Assine o fluminense
Aparência & Essência

Licius Coelho bacharel em Direito pela Universidade Federal Fluminense (UFF) com pós-gradução em Direito Processual Civil, bacharelando em História pela UFF. Email para a coluna: licius210@gmail.com

Temer continua e Lula dispara nas pesquisas

A decisão da Câmara dos Deputados na última quarta-feira (02/08) não pode ser considerada uma surpresa, pois ninguém acreditava que seria possível reunir votos suficientes para afastar Michel Temer da Presidência da República, medida imprescindível para que o processo criminal que tramita no STF tivesse continuidade. O resultado da votação demonstrou que as estratégias adotadas pelo presidente foram eficientes e decisivas, embora o convencimento dos deputados não tenha sido construído em torno de argumentos republicanos. Mais uma vez assistimos o uso abusivo da máquina pública, e constatamos que muitos parlamentares estão sempre dispostos a vender a sua lealdade ao governo. 

A impopularidade de Michel Temer ainda é muito elevada, principalmente porque o atual governo frustrou as expectativas de grande parte da população, inclusive de alguns segmentos sociais que apoiaram o “impeachment” de Dilma Rousseff. Mas o que estava em debate não era os índices de aprovação do atual governo, mas uma acusação criminal concreta e objetiva contra o presidente da república. Consideramos que as provas e evidências apresentadas contra o presidente eram mais do que suficientes para a instauração de uma Ação Penal, e por este motivo o seu afastamento do cargo deveria ter sido acolhido. No entanto, a maioria dos parlamentares preferiu manter Michel Temer no poder, mesmo sabendo que esta decisão contrariava os anseios de parcela considerável da sociedade brasileira. Acreditamos que a população não ficará indiferente a estes acontecimentos, e no momento oportuno acabará expressando o seu descontentamento. 

A Câmara dos Deputados garantiu a permanência de Michel Temer, mas sua liderança saiu enfraquecida deste embate parlamentar. Mas um outro fator agrava ainda mais o cenário político, visto que 89 deputados que integram a base governista votaram pelo afastamento de Michel Temer, e assumiram publicamente uma postura de distanciamento crítico do governo. O caso mais emblemático é do PSDB, onde metade de sua bancada votou contra Michel Temer, embora ainda permaneça ocupando importantes cargos no ministério. Os tucanos certamente continuarão unidos na defesa das “reformas” que estão sendo implementadas, mas alguns setores do partido defendem um afastamento do governo, com o claro objetivo de construírem uma candidatura própria para as próximas eleições presidenciais. Neste sentido, a nova correlação de forças que está se configurando na Câmara dos Deputados trará dificuldades para o governo, podendo inclusive inviabilizar a aprovação da Reforma da Previdência. 

Contudo, as pretensões eleitorais das forças políticas que compõem o governo Michel Temer continuam sob ameaça de não conseguirem eleger um sucessor. Mesmo após a sentença condenatório do Juiz Federal Sergio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continua sendo considerado pela população como o candidato que apresenta melhores possibilidades. 

Nesta sexta-feira (04/08) o Instituto Vox Populi divulgou uma nova pesquisa de opinião, a partir da coleta de dados realizados entre os dias 29 e 31 de julho. A pesquisa aponta que a imagem do ex-presidente Lula junto à população continua melhorando progressivamente, sendo que 55% dos entrevistados o consideram como o melhor presidente que o país já teve, enquanto 58% o classificaram como um indivíduo competente e bom administrador. Na declaração espontânea de votos, 42% declararam que votariam em Lula, o que representa um aumento de dois pontos percentuais em relação a pesquisa anterior realizada no mês de junho. Cumpre registrar, que o segundo colocado neste item da pesquisa aparece com apenas 8%. Quando a pesquisa avança para as simulações de intenção de votos para o primeiro e o segundo turno, os resultados confirmam que Lula venceria em todos os cenários possíveis se a eleição presidencial fosse realizada na data de hoje. 

A mencionada pesquisa indica que caminhamos para uma eleição presidencial onde Luis Inácio Lula da Silva aparecerá como franco favorito. Mas muitos ainda acreditam que as pretensões eleitorais de Lula podem e precisam ser barradas através de uma condenação criminal que impeça a sua candidatura. Esta é uma possibilidade real, mas ninguém pode garantir com absoluta segurança que irá se concretizar. Assim, é razoável imaginar que as lideranças políticas do atual governo não irão trabalhar apenas com esta hipótese. No segundo semestre deste ano o Congresso Nacional irá examinar um conjunto de propostas legislativas, e deverá aprovar uma “Reforma Política”. Não me surpreenderia se fossem introduzidas modificações significativas na legislação eleitoral, como o claro objetivo de dificultar a formação de um governo de centroesquerda, que acreditamos ser o caminho mais adequado para superarmos o atual cenário de crise política e econômica. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top