Assine o fluminense

Trump quer acordo para evitar paralisação do governo

Presidente norte americano pretende estender o financiamento do orçamento federal por duas semanas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abriu neste domingo (2) as portas para estabelecer um acordo com o Congresso para estender o financiamento do orçamento federal por duas semanas, evitando assim uma paralisação do governo durante o período de homenagens póstumas ao ex-presidente George H.W. Bush (1989-1993), que faleceu na última sexta-feira.

"Se (os líderes do Congresso) vêm falar sobre uma prorrogação do financiamento (federal) devido ao falecimento do presidente Bush, vou considerá-la e provavelmente a autorizarei", disse Trump aos jornalistas a bordo do Air Force One ao retornar aos EUA da Cúpula do G20 na Argentina.

O financiamento para algumas áreas do governo Trump expira na próxima sexta-feira, 7 de dezembro, justo quando os EUA estarão concentrados nas homenagens ao falecido ex-presidente.

A extensão que Trump hipoteticamente pactuaria com o Congresso ampliaria o prazo em duas semanas e daria mais tempo aos legisladores para chegarem a um acordo sobre o orçamento federal.

Caso não haja o prolongamento, o Congresso deve aprovar uma lei orçamentária antes de sexta-feira para manter os fundos para alguns ramos do governo, entre eles os Departamentos de Segurança Nacional, Transporte, Agricultura, Comércio, Justiça, Estado e Habitação e Desenvolvimento Urbano.

Trump ameaçou em várias ocasiões provocar a paralisação do governo se o Congresso não aprovasse mais recursos para a construção de um muro na fronteira com o México, uma de suas promessas eleitorais mais polêmicas.

Governo

Esta semana, Trump garantiu em entrevista ao jornal Politico que estaria "totalmente disposto" a paralisar as atividades do governo federal a menos que o Congresso autorizasse o repasse de US$ 5 bilhões para financiar a construção do muro na fronteira.

No início do ano, de fato, ocorreu uma paralisação durante apenas algumas horas depois que Trump se negou a assinar a proposta orçamentária para o exercício atual apresentada pelo Congresso.

A última grande paralisação parcial do governo federal americano foi em 2013, durante o mandato do então presidente democrata, Barack Obama (2009-2017).

O caixão com o corpo de Bush chegará a Washington na segunda-feira e será velado no Capitólio até quarta, data na qual espera-se que sejam realizados os serviços fúnebres na Catedral Nacional de Washington.

Ainda não há uma confirmação oficial, mas o corpo do ex-presidente provavelmente será sepultado em College Station, no Texas, ao lado de sua esposa Barbara, que morreu em abril, e de sua filha Robin, que morreu aos 3 anos de idade por causa de uma leucemia.

Fonte: EBC

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top