Assine o fluminense

Vélez sai e novo ministro da Educação é da área de finanças

Presidente diz que Abraham Weintraub tem experiência em gestão e conhecimento necessário para a pasta

Professor da Unifest, novo ministro foi executivo do mercado financeiro e atuava como secretário executivo da Casa Civil

Rafael Carvalho/Divulgação Casa Civil

O presidente Jair Bolsonaro exonerou nesta segunda-feira (8) o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, e anunciou o professor Abraham Weintraub para o cargo. 

“Abraham possui mestrado em Administração na área de Finanças pela FGV e MBA Executivo Internacional pelo OneMBA, com título reconhecido pelas escolas: FGV/Brasil, RSM/Holanda, UNC/Estados Unidos, CUHK/China e EGADE-ITESM/México. Tem ampla experiência em gestão e o conhecimento necessário para a pasta”, escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter. 

“Aproveito para agradecer ao Prof. Velez pelos serviços prestados”, acrescentou o presidente na rede social. Vélez esteve ontem de manhã no Palácio do Planalto, em reunião com o Bolsonaro, e deixou o local pela saída privativa, sem falar com a imprensa

Quem é – Professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Weintraub foi executivo do mercado financeiro, atuou no grupo Votorantim e foi membro do comitê de Trading da BM&FBovespa. Em 2016, coordenou a apresentação de uma proposta alternativa de reforma da previdência social formulada pelos professores da Unifesp. 

Weintraub atuava como secretário executivo da Casa Civil, sob o comando de Onyx Lorenzoni. 

Autonomia – O presidente Jair Bolsonaro dará liberdade para que o novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, monte sua equipe na pasta. A informação é do porta-voz da Presidência República, Otávio Rêgo Barros. 

“Como todos os ministros, o presidente autorizou e autorizará que seus ministros escalem seus recursos humanos. (...) O presidente autoriza e estimula que seus ministros escalem suas equipes”, afirmou Rêgo Barros. 

Demissões – Em pouco mais de três meses, houve mais de dez demissões em postos do alto escalão do MEC e órgãos vinculados. o comentar a troca no MEC, o porta-voz ressaltou a necessidade de melhorar a gestão da pasta. 

“[O presidente] entendeu que a gente poderia melhorar a gestão do Ministério da Educação, que é tão importante para a consecução dos objetivos do governo, [em] razão disso fez uma seleção de belos nomes que existiam dentro do amplo espectro da nossa academia”, disse o porta-voz. 

Rêgo Barros ainda elogiou o perfil do novo ministro. “Obviamente, dá pra avaliar-se que ele é muito preparado, tem inclusive gestão na área financeira”, acrescentou. 

Enem: 2 milhões pediram isenção

Mais de 2,1 milhões de estudantes solicitaram a isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, de acordo como Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O valor é R$ 85. O prazo para pedir a isenção da taxa começou no último dia 1º e segue até esta quarta-feira, dia 10. 

Podem solicitar a isenção da taxa os estudantes que estão cursando a última série do ensino médio, em 2019, em escola da rede pública; aqueles que cursaram todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada, com renda, por pessoa, igual ou menor que um salário mínimo e meio, o que, em valores de 2019, equivale a R$ 1.497. 

São também isentos os participantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top