Assine o fluminense

Hora de mudar

Ter o corpo ideal é resultado de um estilo de vida saudável. Você está realmente a fim de mudar?

Depois que passou por uma reeducação de hábitos, Clara Dimas percebeu inúmeras melhoras na pele, no corpo e na disposição

Foto: Arquivo pessoal

Manter hábitos saudáveis como uma boa alimentação, atividades físicas regulares – pelo menos 150 minutos de exercícios aeróbicos por semana – e ainda ter uma boa noite de sono são importantes para manter a saúde em dia. Com grandes benefícios em cada atividade dos hábitos saudáveis, quando o trabalho é em conjunto, os resultados se intensificam. De maneira geral, é possível se manter mais disposto, melhorar o humor, diminuir o estresse e contrair menos doenças, melhorando a qualidade de vida.

Com uma alimentação correta, o corpo humano recebe nutrientes necessários para a manutenção de processos orgânicos, como a renovação celular, imunidade e a restauração em caso de doenças. Junto a isso, a prática de atividade física regular também auxilia na prevenção de diversas doenças, tais como as cardiovasculares, obesidade, osteoporose, ansiedade, depressão e alguns tipos de câncer. 

Quando essa prática é conjunta, além do resultado ser mais rápido, ele é diferente. Segundo Gabrielle Rocha, nutricionista e professora adjunta do departamento de nutrição e dietética da Universidade Federal Fluminense (UFF), toda vez que os hábitos saudáveis são mantidos, incluindo alimentação adequada, atividade física regular e outras funções, como boa noite de sono, lazer e trabalho prazeroso, há uma contribuição para manutenção e bom funcionamento do organismo.

“Assim, levamos uma vida/envelhecimento com mais qualidade e menor risco de desenvolver doenças crônicas. As pessoas que mantêm essa rotina saudável, tem um desempenho melhor, seja no trabalho ou em uma competição, por exemplo”, comenta.

Em 2014, o barbeiro Vitor Oliveira, de 36 anos, tomou uma grande decisão: mudar seu estilo de vida. Com 140kg, estava insatisfeito com seu corpo e tinha medo de desenvolver problemas de saúde. Foi quando resolveu combinar a alimentação mais natural e menos industrializada e a prática de exercícios físicos, conseguindo emagrecer 50kg e melhorar sua disposição.

Com a mudança de estilo de vida, Vitor Oliveira emagreceu 50kg dos 140kg que tinha

Foto: Lucas Benevides

“Já havia tentado mudar meu estilo de vida antes, porém, não obtive sucesso. Comia errado e fazia ‘dietas malucas’. Agora que consegui manter o foco, percebi a importância de mudar o pensamento antes, já que nosso corpo é reflexo do nosso estilo de vida. Hoje, vivo uma outra realidade. Está tudo melhor, para me vestir, fazer qualquer atividade... me sinto mais jovem e disposto. Entretanto, sinto que minha mente ainda é de ‘gordo’; adoro comer, e a prática de atividades aumenta a fome, então tem que acreditar. É uma luta diária”, admite. 

O importante é que não há idade para se exercitar, pois os benefícios aparecem em qualquer momento. Nas crianças e adolescentes, as atividades físicas melhoram a coordenação motora, auxiliam na socialização e ajudam na prevenção de doenças, assim como nos adultos. Já em idosos, a prática também está relacionada à melhoria das atividades da vida diária e na autonomia.

“No caso de algumas doenças como obesidade, hipertensão e diabetes tipo II, a associação da atividade física a uma alimentação saudável é primordial para a prevenção e o sucesso do tratamento, pois auxilia no controle da massa corporal, diminuição do colesterol ruim e aumento do colesterol bom, além da diminuição da glicemia e redução da pressão arterial”, explica Karla Campos de Paula, professora adjunta do Departamento de Educação Física e Desportos da UFF. 

A estudante Clara Dimas, 17, sempre teve o rosto “empolado” de acne durante a adolescência, devido à má alimentação e a falta de exercícios físicos, o que acarretava em sua baixa autoestima, falta de concentração, indisposição e colesterol alto. Quando decidiu resolver o problema de sua pele, percebeu a importância de melhorar a alimentação e a ingestão de água.

“A primeira semana foi a mais difícil, me sentia mais indisposta do que o habitual e tinha vontade de desistir. Continuei tentando até que meu organismo se acostumou com a nova rotina e eu não sentia mais falta das guloseimas. Entrei na academia, fiz exercícios funcionais, perdi 7 quilos de gordura e ganhei massa magra. Atualmente, minha capacidade de concentração é muito melhor, assim como minha pele”, garante Clara, que agora desconta suas frustrações em exercícios e não mais na comida, como fazia. 

Márcia Umbelino, clínica geral, afirma que a prática conjunta também é importante por evitar a demência cerebral. Além disso, diminui chances de síndromes metabólicas, alterações no hormônio da insulina, variações de peso e nas taxas de colesterol. A prática também evita a diabetes por excesso de peso e a obesidade que, aliada à alimentação errada, falta de exercício e má qualidade do sono, pode desenvolver uma cardiopatia.

“Caprichar na alimentação ou no sono ou no exercício ainda é melhor do que não fazer nada, porém, o paciente que alia uma boa alimentação, qualidade de sono e exercício físico, vai ser um paciente muito mais saudável”, finaliza. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Scroll To Top