Assine o fluminense

Longevos

Viver mais está diretamente ligado à qualidade de vida e ao não sedentarismo. Manter-se ativo é essencial

Aos 92 anos, Quitéria Alves tem “espírito de menina” e não consegue ficar parada em casa. Está sempre ocupada, dedicando-se a um afazer

Foto: Lucas Benevides

É difícil acreditar que o ser humano é capaz de impedir a ação do tempo em seu organismo, mas muitas pessoas - algumas através da disciplina, outras através da simplicidade - vêm mostrando que é possível, sim, manter a vitalidade por dentro e por fora, durante muitos e muitos anos.

Jorge Carlos da Silva, capitão aposentado do Exército, dedicou boa parte de sua vida ao estudo. Hoje, com 84 anos, ostenta os títulos de geólogo, psicólogo, parapsicólogo, além de possuir uma infinidade de cursos complementares. Mesmo na terceira idade, não deixou o estudo de lado. Fez sua terceira faculdade quando já tinha 69 anos. Talvez uma herança do Exército, ele leva uma rotina de deixar qualquer um de queixo caído pela rigorosidade.

“Acordo normalmente na faixa das sete horas da manhã. Não levanto sem fazer uma prece de agradecimento, sempre dizendo: ‘Este é o melhor dia da minha vida’. Em seguida, leio um jornal, faço uma caminhada de 30 a 40 minutos, e, no decorrer do dia, procuro cumprir tudo o que eu programei pela manhã. Definitivamente não sou sedentário”, conta Jorge, que, místico assumido, é membro da Ordem Rosacruz há 52 anos - uma organização místico-filosófica que tem por objetivo o desenvolvimento das potencialidades humanas. Ele atribui seu vigor aos conhecimentos e práticas perpetuados na tradição. 

Jorge Carlos da Silva atribui sua longevidade às atividades ensinadas pela Ordem Rosacruz

Foto: Colaboração / Daniel Malafaia

“A Ordem Rosacruz me ajuda em praticamente tudo na minha vida. Toda semana, dedico uma hora aos estudos esotéricos e, paralelo a isso, diariamente faço exercícios ensinados pela Ordem, que são voltados para a regulação das glândulas endócrinas, principalmente da glândula pineal, exercícios para o cérebro, sons vocálicos e, claro, nunca esqueço minhas meditações. Cuido muito da parte espiritual também”, explica, entusiasmado. 

Mesmo em plena forma, nessa idade, o acompanhamento de um geriatra é imprescindível. A médica Nancy Cordeiro dos Santos é geriatra e psiquiatra e explica que atua tanto no tratamento de patologias inerentes a essa faixa etária, como na prevenção.

“Sempre temos que ter em mente que estamos diante de um organismo em processo catabólico, e que, com os devidos cuidados, chegaremos no ideal, que é a longevidade, ou seja, envelhecer com saúde integral”, esclarece a profissional, que alerta, ainda, que as mudanças no organismo não se iniciam na terceira idade. Tudo faz parte de um processo evolutivo que começa desde a idade adulta. Ela explica que ter uma vida cheia de estímulos, físico e mental, é essencial para o resguardo com a sanidade: “Hoje sabemos que a estimulação é vida. Ter um cérebro ‘ativo’ - ler, desenhar, pintar, praticar atividades físicas, ser engajado socialmente, e como a Organização Mundial de Saúde (OMS) nos indica, manter a religiosidade etc. -, nos traz, com clareza, benefícios cognitivos.”

Vivendo de uma maneira bem mais modesta, Quitéria Alves Bernardino tem 92 anos e um “espírito de menina”. Moradora de Jurujuba, a nordestina conta com orgulho sua hiperativa rotina.

“Não consigo ficar parada. Acordo cinco horas da manhã. Aqui em casa tem planta por todo canto, então, logo de manhã, molho ‘elazinhas’. Arrumo a minha cama, a da minha filha e a do meu neto. De noite, quando a pia fica lotada de louça, não sossego enquanto não lavar tudo”, explica, bem-humorada.

A simpática idosa revela que o segredo de sua vitalidade está na alimentação. Não consome muita gordura e, à noite, dá preferência a alimentos leves. Também evita se automedicar, tomando apenas vitaminas prescritas pelo médico, que auxiliam no funcionamento do cérebro e na proteção das articulações. 

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Veja também

Scroll To Top