Assine o fluminense
Mão na Massa

O chef Romeu Valadares apresenta as novidades do mundo gastronômico e dicas sobre pratos saborosos e cheios de detalhes curiosos

Natal na casa de Mouraz

 

Foto: Colaboração / Romeu Valadares

Conheci o português Antônio Ribeiro numa feira de vinhos onde ele e sua mulher, Sara Dionísio davam a provar os vinhos de sua casa, a Casa de Mouraz da região do Dão. Não somos propriamente amigos, nosso convívio se limitou sempre a esses momentos de concorridas taças estendidas em busca de algum conhecimento, justamente o que eventos como esses oferecem mais que qualquer livro que se leia, o vinho falando por si, no nariz e na boca.

Os anos se passaram e fui entendendo a elegância daqueles vinhos, o conceito de vinhateiro tem ficado à sombra das luzes mediáticas que iluminam enólogos e sommeliers. É preciso reconhecer as suas contribuições para a divulgação do vinho, em palestras e malabarismos que promovem. Ouço e aprendo bastante com eles, porém percebo frequentemente nas audiências um afastamento da ideia de lavoura, como as crianças dos grandes centros, que por um bom tempo, acham que a carne nasce nos supermercados. Rótulos brilhantes, medalhas e notas esgotam a atenção que já não sobra para a terra, suas peculiaridades e a gente de mãos marcadas e tutano na espinha. São muitas famílias que trabalham, não são corporações, capazes de se ajustar em anos ruins, com lastro para suportar um ou outro furacão, essa gente tem de ser forte, e como são... Dessa força surgem vinhos como os da Casa de Mouraz, uma família que deixa Lisboa para no ano 2000, fincar pé e filhos numa terra passada de pai para filho, agora na quarta geração.

Esse ano, a coluna de Natal, que solenemente encontra as famílias reunidas entorno da mesa com pratos e vinhos, volta seu olhar para a família da Casa de Mouraz. Pioneiros na utilização de conceitos orgânicos e biodinâmicos na região do Dão, eles tiveram sua propriedade severamente castigada pelos incêndios de Outubro; perderam 13 hectares de vinha (estamos a falar de plantas com até 100 anos de idade), seus equipamentos agrícolas e o armazém onde estava a maior parte de seu estoque com vinhos já engarrafados inclusive grande parte de um de seus vinhos mais emblemáticos, o topo de gama chamado Elfa. Mais que palavras de motivação, convido-os a experiência de provar vinhos fidedignos, autênticos representantes do Dão.

Ao comprar os vinhos da Casa de Mouraz é a si mesmos que estarão a presentear, independentemente de qualquer acidente, mas se você, como eu, ama Portugal, não perderá a oportunidade de mandar uma mensagem de apoio adquirindo esses excepcionais vinhos, em nossa cidade, com o Luiz Barros da Importadora Vinhos do Mundo (99602-6519). Os apoios também estão vindo de várias partes do mundo através da campanha de crowdfunding no seguinte link: https://www.indiegogo.com/projects/casa-de-mouraz-2-0-rising-from-the-as...

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Mais notícias de Mão Na Massa

Scroll To Top