Assine o fluminense
Mão na Massa

O chef Romeu Valadares apresenta as novidades do mundo gastronômico e dicas sobre pratos saborosos e cheios de detalhes curiosos

O sapo é um príncipe

 

Foto: Colaboração Romeu Valadares

Esse é um “case” de marketing. Como transformar um sapo em príncipe, na falta de bruxas, princesas ou mesmo príncipes? Resposta: cortem sua cabeça, apresentem-no em filés e esqueçam que seu nome foi um dia sapo, chamem pelo nome que ele tem noutro país. Assim se dá a escalada de popularidade do tamboril. Conheci o peixe em Portugal, nos primeiros anos da década de 90 do século passado, onde é muito querido, apesar de sua cabeçorra horrorosa. A ideia de batizá-lo com o nome de um anfíbio, pouquíssimo apetecível, certamente fez algum sentido se examinada a semelhança entre as desproporcionais bocas, comuns aos dois animais, porém ressaltar tais semelhanças não demonstrou ser a melhor estratégia de vendas para o coitado, que encalhou nas bancas. Em tempo, essa injustiça, corrigida pela adoção do nome português, tamboril, logo resgata as chances do peixe que passa a atrair o olhar do público para seus filés de carne roliça e branca. A verdade que eu tive a sorte de descobrir antes é que a carne do tamboril é deliciosa. O tradicional arroz de tamboril é um must em Lisboa; nacos do peixe temperados com massa de pimentão, cozidos no arroz em caldo de peixe e vinho branco, já comentado nessa coluna. Hoje vamos de espetadas de tamboril, sim, a firmeza da carne permite que seja espetada em nacos de filé nos espetos de churrasco e assada na brasa sem que se desprenda do espeto. De sabor delicado, sutilmente adocicado, em terras de Camões já ouvi chamarem-lhe lagosta dos pobres. Ricos pobres!

Espetadas de Tamboril 

Tempere os nacos de tamboril de véspera com massa de pimentão (à venda no Cadeg, pois a minha ainda não está no mercado), zest de limão-siciliano, pimenta-do-reino verde ou branca e azeite. Prepare um braseiro vivo e coloque os espetos perto das brasas, a ideia é chamuscar por fora com cozimento rápido para que se mantenha a suculência no interior, principalmente num peixe que não tem gordura. Para acompanhar, um arroz de tomates, batatas coradas, saladas, cuscuz, ou seja, difícil vai ser encontrar um acompanhamento que não fique bom com esse príncipe do mar! No mercado de peixe, o preço do quilo gira entre 30 e 40 reais. No mercado Zona Sul de Botafogo comprei por R$19,80 o quilo numa promoção, vale a pena conferir e congelar.

Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Mais notícias de Mão Na Massa

Scroll To Top