Assine o fluminense
Mão na Massa

O chef Romeu Valadares apresenta as novidades do mundo gastronômico e dicas sobre pratos saborosos e cheios de detalhes curiosos

Viagem ao Centro do Rio

 

Colaboração: Romeu Valadares

A corrupção teve solo fértil em nosso país, por todo o lado uma sementinha caída dessa praga rapidamente floresce e, no piscar de um olho, lá está um matagal formado. As obras públicas carregam a fama de ventre fecundo dessas criaturas abjetas, é verdade, mas é preciso dizer: o Centro do Rio de Janeiro está lindo! Uma grande parte dos habitantes do lado de cá da poça passa a maior parte de seu dia no Rio, onde estão cerca de 70% dos empregos.

Desenvolvemos uma intimidade com o Centro do Rio, possível só ao toque de quem anda a pé pelas ruas, e como é bom poder fazê-lo, pelo menos enquanto brilha o sol! Esse relato carrega uma emoção especial: ir nos próprios pés almoçar no Restaurante Málaga, depois de cinco meses de recuperação de uma séria fratura na perna esquerda.

O verão se atrasou misericordiosamente, e ainda permite uma temperatura agradável para a caminhada da Praça XV até a Rua Miguel Couto, 121. O local já foi alvo dessa coluna, página emoldurada e honrosamente exibida na mais ilustre vizinhança, entre prêmios e outros tantos bem ditos cronistas do comer e beber bem, com certeza, felizes por habitar suas paredes.

Há pelo menos 40 anos, o Augusto Vieira se dedica ao ramo, transita entre o salão e a cozinha e traz para os frequentadores a sensação de que a cozinha está próxima, como deveria ser sempre. Indicar seu restaurante é serviço de utilidade pública, convidar pessoas para um almoço lá é prova de amizade. Sempre adorei o Centro, é lá que se tem um gosto de Lisboa e Porto, os clássicos dos meus jovens anos 80 ainda estão por lá, gente que cozinha a Península Ibérica com os olhos vendados e um braço amarrado à perna. Sentamos à mesa com os vinhos da Importadora Ocean Gourmet (Praça da República 13, loja 26, tel.: 25071483), os pasteizinhos de leitão desfiado anunciavam que a tarde seria longa, destaco um momento excepcional desse desfile de delícias que teve até leitão crocante à Bairrada, a combinação espetacular do Quinta do Carqueijal Rosé 2016 um DOC Douro com uvas tradicionais da região, touriga nacional, touriga franca e tinta Roriz e o arroz de cabrito do Málaga!

A delicada cor desse rosé disfarça sua forte personalidade, é mais mineral e floral que frutado, ganha adstringência para limpar a boca e prepará-la para uma nova garfada renovando o prazer ao longo da refeição, e que prazer! Prove às cegas com outros rosés e ele mostrará a que veio. Um curinga na mesa do Natal e um aliado para enfrentar o verão que espreita e se agiganta, prepare-se!

 
Faça seu login ou cadastre-se para enviar seus comentários

Comentários

Mais notícias de Mão Na Massa

Scroll To Top