22
Ter, Set

Paulo Marinho presta novo depoimento na Polícia Federal

Inquérito apura possível interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal - Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nacional
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O empresário Paulo Marinho está na superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, na manhã desta terça-feira (26), para prestar novo depoimento. Marinho é ex-aliado do presidente Jair Bolsonaro e, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, afirmou que o senador Flávio Bolsonaro havia sido avisado com antecedência que seria alvo da operação Furna da Onça, deflagrada entre o primeiro e o segundo turno das eleições em 2018.

O depoimento é referente ao inquérito que apura se o presidente tentou interferir na Polícia Federal, aberto após o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, fazer a acusação ao presidente durante pronunciamento no qual anunciou seu pedido de demissão da pasta, no dia 24 de abril. Moro afirma que Bolsonaro queria trocar a superintendência da PF no Rio de Janeiro sem razão aparente e que, para fazer isso, demitiu o ex-diretor da corporação, Maurício Valeixo, sem consentimento do então ministro.

Marinho chegou à Polícia Federal por volta de 8h30 e afirmou que falaria com repórteres após seu depoimento. Na entrevista concedida há pouco mais de uma semana, ele disse que um delegado, que seria simpatizante da família Bolsonaro, teria alertado que Flávio, então deputado estadual, seria alvo da ação cuja investigação apurava práticas de "rachadinha" (devolução de parte de salários) na Alerj.

Além disso, esse delegado teria recomendado a exoneração do ex-assessor de Flávio, Fabrício Queiroz, bem como de sua filha, Nathalia, que trabalhava no gabinete de Jair Bolsonaro, então deputado federal, em Brasília. Ambas as exonerações aconteceram no dia 15 de outubro de 2018.

Flávio Bolsonaro nega as acusações de Marinho e o acusa de ter interesse em prejudicá-lo, pois o empresário é suplente do filho de Jair no Senado Federal. "Ele sabe que jamais teria condições de ganhar nas urnas e tenta no tapetão", disse o Senador, por meio de uma rede social.