25
Dom, Out

Roubo e furto de veículos em queda no Rio

Outros estados também apresentaram tendência de queda - Foto: Arquivo / Douglas Macedo

Rio de Janeiro
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O número de registros de roubo e furto de veículos, no Estado do Rio de Janeiro, apresentou queda desde início da pandemia do novo coronavírus. Outros estados, como São Paulo, que sofrem com os efeitos da doença, seguem a mesma tendência. Nas duas últimas semanas (de 29 de março a 12 de abril), o número de chamados foi 23,22% menor do que no comparativo com as duas semanas anteriores (de 15 a 28 de março), em todo o país.

O levantamento, realizado pelo Grupo Tracker, empresa especializada em rastreamento, considera todos os segmentos: veículos leves, pesados e motocicletas.

A queda foi impulsionada pelos automóveis, pick-ups e SUVs, que registraram 30,10% menos eventos de roubo e furto. Já os índices de caminhões e de motocicletas cresceram 7,70% e 14,30%, respectivamente. “Não é surpresa para nós o aumento de ocorrências com veículos pesados, porque este é o segmento que continua circulando pelas ruas e estradas do país”, analisa o coordenador do Comando de Operações do Grupo Tracker, Vitor Correa.

No Rio de Janeiro, a queda no total de ocorrências – considerando todos os segmentos – foi de 34,04%. O Grupo Tracker não registrou ocorrências com caminhões, no período (de 29 de março a 12 de abril). Por outro lado, o número de ocorrências com motos subiu 200%. E os eventos envolvendo automóveis, pick-ups e SUVs caíram 27,60%.

No Estado de São Paulo, a queda no total de ocorrências – considerando todos os segmentos – foi de 24,46%. Sendo que a redução mais expressiva foi na categoria veículos leves (automóveis, pick-ups e SUVs), 33%. A categoria motocicletas apresentou queda de 16,70% e caminhões e carretas tiveram alta de 16,70% no número de chamados.

Os estados que não seguiram a tendência de queda no número absoluto de ocorrências foram Rio Grande do Sul (alta de 57,14%), Minas Gerais (+100%) e Pernambuco (+50%).

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.